Efeitos colaterais das bebidas energéticas

14 de julho de 2019
Se você consome esse tipo de bebida frequentemente, você deve conhecer os riscos aos quais está se expondo. É de vital importância ter aprovação médica e consumi-las com moderação.

Elas ganharam muitos adeptos nos últimos anos. Desde atletas até aqueles que fazem um uso ocasional durante o dia buscam pelos efeitos das bebidas energéticas. Esse estímulo que à primeira vista parece inofensivo pode trazer problemas se certas precauções não forem tomadas.

As pessoas que nasceram no final do século XX lembrarão o entusiasmo com o qual as bebidas energéticas chegaram ao mercado. Elas se apresentavam como uma espécie de milagre capaz de combater a fadiga ou a desidratação graças a um certo grupo de sais. As informações do produto não iam além disso.

O que as bebidas energéticas contêm?

Além dos carboidratos, um aminoácido chamado taurina e açúcares, o principal ingrediente das bebidas energéticas é a cafeína.

Em teoria, cada país deve legislar sobre a quantidade de cafeína e estimulantes que essas bebidas podem conter. Contudo, as irregularidades resultantes da ultrapassagem das concentrações adequadas estão se multiplicando.

No México, o Instituto Politécnico Nacional (IPN) realizou um estudo sobre 50 bebidas energéticas. O resultado: 47 delas ultrapassaram os níveis de cafeína e taurina.

Mais especificamente, são permitidos 20 miligramas de cafeína a cada 100 mililitros. De acordo com esse estudo, a bebida energética com maior consumo no país contém 126 miligramas.

É esperado que surjam efeitos colaterais se as medidas estabelecidas não forem respeitadas. Algumas dessas bebidas obedecem aos regulamentos correspondentes a seus países, mas há outras que são especificamente anunciadas como fonte de energia para consumo diário.

O que as bebidas energéticas contêm

Efeitos colaterais das bebidas energéticas

Em geral, o excesso de cafeína e taurina pode causar tremores, taquicardia, arritmia, náusea, ansiedade, pressão alta, dor de cabeça, insônia e até mesmo parada cardíaca.

Certamente as consequências desses produtos energéticos dependem da resposta individual de cada organismo. No entanto, prevenir-se não é menos importante inclusive para as pessoas completamente saudáveis.

Voltando ao estudo mexicano acima mencionado, estima-se que uma porcentagem cada vez maior da população adulta opte por bebidas energéticas. E isso nem sempre é uma decisão saudável, embora dependa da quantidade dessas bebidas que é ingerida.

No caso dos jovens, especialistas apontam como a combinação de altas doses de cafeína e taurina com álcool ou drogas pode ser perigosa. Esses coquetéis podem causar desde uma parada cardiorrespiratória até uma euforia que leva a pessoa a ultrapasssar os limites da prudência.

Dados de estudos realizados

A Sociedade Americana de Radiologia (RSNA, na sigla em inglês) enfatizou os danos do aumento da frequência cardíaca ao consumir bebidas energéticas. Esse aumento na frequência cardíaca foi demonstrado após estudos na Universidade de Bonn, na Alemanha.

Depois de medir os efeitos cardíacos em adultos jovens saudáveis que ingeriram uma bebida energética, determinou-se que as contrações do coração aumentaram uma hora após a ingestão. Os participantes do estudo foram submetidos a duas ressonâncias magnéticas, uma antes e outra depois de beber o produto.

O problema é que essa alteração pode causar arritmias cardíacas nas pessoas. Mais precisamente, o aumento da frequência cardíaca é capaz de causar desde taquicardia até convulsões e morte súbita.

Por outro lado, esses efeitos colaterais causados pelas bebidas energéticas ocorrem principalmente em pessoas entre 25 e 40 anos. Um público que, de acordo com a Administração de Abuso de Substâncias e Serviços de Saúde Mental dos Estados Unidos, pelo menos dobrou entre 2007 e 2011.

Ou seja, nesses casos estamos falando de adultos que, sem histórico de problemas cardíacos, sofreram um episódio de emergência com essas características devido ao excesso dessas bebidas.

Efeitos colaterais das bebidas energéticas

Como consumir bebidas energéticas com segurança

Primeiramente, diante de dúvida devemos consultar um médico. Pessoas com problemas cardíacos devem abster-se de consumir bebidas energéticas tanto quanto possível. Por outro lado, sintomas como insônia, alterações cardíacas ou irritabilidade podem ser sinais de uma maior sensibilidade à cafeína.

Juntamente com o citado acima, deve-se notar que as bebidas energéticas não são medicamentos. Pessoas com baixa energia devem passar pelos estudos clínicos apropriados para descartar qualquer distúrbio. O consumo crônico dessas bebidas pode ser altamente contraproducente para a saúde.

Em resumo, ler os rótulos para verificar os valores de cafeína e taurina é uma forma de prevenir o choque de estimulantes. Crianças, gestantes e idosos devem conversar com o médico sobre os riscos, efeitos colaterais e assiduidade no consumo de qualquer bebida energética.