Como manter a saúde das nossas articulações e ossos?

20 de fevereiro de 2019
Os 208 ossos que compõem o corpo humano adulto oferecem suporte a todo o organismo e, por outro lado, as articulações desempenham um papel fundamental em termos de mobilidade. A força está nos músculos, mas a base da cinética repousa no sistema ósseo e por isso devemos manter sua boa saúde.

Muitas vezes falamos sobre músculos nos esportes, mas uma parte importante da nossa saúde quando treinamos está relacionada às nossas articulações e ossos. A partir dos 30 anos é comum começarmos a sentir dores nessas áreas dentro e fora do treino.

Mantendo a massa óssea na idade adulta

O crescimento dos ossos ocorre como um processo progressivo que ocupa a infância, a adolescência e o início da idade adulta. Passando os 30 anos, o nosso sistema ósseo torna-se maior e atinge o seu pico.

A partir desta década de vida, o crescimento da estrutura óssea desacelera e começa seu desgaste. É neste momento que os atletas devem tomar medidas para que a degradação não seja tão forte.

No caso das mulheres, o processo de descalcificação é geralmente maior. A perda óssea é acelerada devido a fatores como a menopausa. É por isso que as meninas tendem a usar suplementos alimentares mais rapidamente, seu maior risco é a osteoporose.

Como proteger os ossos?

O simples fato de fazer exercício e cumprir um plano de alimentação é, em si, a primeira medida de proteção. Agora, a dieta não pode ser baseada apenas no fato de querer perder peso ou ganhar massa muscular.

É fundamental concentrar-se na ingestão de alguns elementos alimentares fundamentais. O primeiro é o acesso ao cálcio, talvez o mineral mais influente na estrutura óssea, já que 45% dos nossos ossos são compostos principalmente de carbonato de cálcio e fosfato.

Figura humana com esqueleto desenhado fazendo exercício

Outro componente vital na manutenção óssea é a vitamina D. O problema é que essa substância não é fácil de obter. Sua principal fonte é a exposição à luz solar, e por isso é sempre bom tomar sol.

A importância das articulações

A passagem do tempo também pode ser vista em nossas articulações além dos ossos. Com relação ao primeiro, o maior risco é artrose ou inflamação articular. Sua origem está na perda precoce da cartilagem e no enfraquecimento de seus músculos associados.

Esses desconfortos quase sempre ocorrem em áreas localizadas: pernas, joelhos ou partes dos braços. No caso dos atletas, o problema é que essa condição pode gerar certa rigidez. O desempenho esportivo é, por exemplo, consideravelmente afetado pela artrose.

No entanto, este tipo de doença pode ser evitado. Fazer exercício pode ser a chave para tratar essas dores, bem como evitar seu surgimento. Nesse sentido, o aquecimento e a atividade física correta serão as chaves para o sucesso.

Proteção das articulações e ossos

O exercício também é, no caso das articulações, um mecanismo de proteção, desde que seja feito corretamente. O aquecimento adequado é necessário para evitar lesões. Da mesma forma, a realização dos exercícios utilizando as posturas e procedimentos apropriados torna-se indispensável.

Mulher alongando

As lesões articulares podem ser muito mais graves e recorrentes durante a fase adulta avançada. Nesse sentido, pessoas com mais de 40 anos devem estar bem conscientes de seus limites físicos.

Somado a isso, é necessário manter algumas condições corporais controladas: o peso adequado e evitar sobrecargas são requisitos prioritários.

Os cuidados especiais podem ser úteis; é o caso da aplicação de calor, massagem e outros elementos da fisioterapia. Os estados de depressão e estresse também devem ser erradicados.

Treinamento para a vida adulta: aplicando o senso comum

Quando somos jovens, é normal ir um pouco além dos nossos limites. De fato, nosso corpo tem as características necessárias nesse estágio para se exceder. Mas com a chegada da velhice, somos responsáveis ​​por gerenciar nossos recursos energéticos e corporais.

O descanso ocupa um fator determinante na recuperação e administração do nosso físico. Cada treinamento deve ser feito com inteligência e vigilância. Nesse estágio, a proteção de nossas articulações e ossos também é uma questão de inteligência.

Zazula, F. C., & dos Santos Pereira, M. A. (2003). Fisiopatologia da osteoporose e o exercício físico como medida preventiva. Arquivos de Ciências da Saúde da UNIPAR, 7(3).

de Souza Duarte, V., dos Santos, M. L., de Abreu Rodrigues, K., Ramires, J. B., Arêas, G. P. T., & Borges, G. F. (2017). Exercícios físicos e osteoartrose: uma revisão sistemática. Fisioterapia em Movimento, 26(1).