Pequenas mudanças, grandes resultados

· 8 de março de 2019
De tempos em tempos, é bom parar e pensar se podemos fazer pequenas mudanças que realmente melhorariam nossa vida, como por exemplo parar de fumar, fazer algum exercício ou nos desconectar de tudo por meio da meditação.

Cada pessoa sabe quando o ritmo de vida que leva, bem como seus hábitos diários, a afastam de um estado de saúde pleno. Essa percepção representa o primeiro passo para começar a implementar pequenas mudanças que gerarão grandes resultados.

A necessidade de ter bons hábitos não implica necessariamente um giro de 180°. Sim. As pequenas mudanças, constantes e consecutivas, geralmente são o caminho mais seguro para obter grandes resultados.

A escolha de transformações radicais, de um dia para o outro, buscando resultados rápidos (mágicos ou milagrosos) pode ser tão contraproducente quanto não tentar nada.

As transformações bruscas na vida podem terminar em variações de 360°. Ou seja: terminar exatamente no mesmo ponto de partida, mas com um enorme sentimento de derrota nas costas.

O poder da mente

Embora existam muitas pessoas que acreditam no enorme poder da mente, há também quem acredite que isso é mais ficção científica do que realidade. Em todo o  caso, para que uma pessoa mude, o primeiro item da sua lista de tarefas certamente é querer fazer isso.

Uma máquina de se mover

O próximo passo é estabelecer claramente o que se quer mudar e por que; nesse sentido, é necessário ser concreto e preciso, sem ambiguidades. Ou seja, não se trata de pensar: ‘vou fazer mais exercícios‘. É preciso determinar o plano a ser seguido: por exemplo, vou jogar tênis duas vezes por semana, às terças e quintas-feiras.

Uma máquina de se mover

A principal razão para incluir mais atividade física nas rotinas diárias é a de que  o corpo humano foi projetado para se mover. Ou seja, o estilo de vida sedentário vai contra a nossa natureza. Além disso, qualquer músculo que não é exercitado acaba se atrofiando.

A partir dessa ideia, os argumentos individuais para se exercitar são totalmente válidos. Os mais comuns: perder peso, aumentar a resistência física, reduzir a ansiedade e o estresse, melhorar o humor, etc. Uma outra razão que não deixa de ser legítima: ‘porque o médico me recomendou’.

Não é preciso ser um atleta de alto desempenho

Manter uma rotina moderada de exercícios, em alta intensidade, uma ou duas vezes por semana, pode ser mais do que suficiente. Desde que isso seja feito de forma constante e permanente ao longo do tempo.

Uma desculpa muito comum através da qual muitas pessoas tentam justificar sua falta de atividade física é a de que elas não têm tempo para isso. No entanto, não é necessariamente obrigatório passar duas ou três horas na academia todos os dias.

O importante é aproveitar ao máximo os minutos disponíveis, mesmo que sejam poucos. Assim, cinco quilômetros de trote suave todos os domingos sempre serão uma opção melhor do que não fazer nada; e o corpo sempre irá agradecer.

Melhorar a alimentação

Juntamente com o exercício, uma alimentação equilibrada tem um papel fundamental para conseguir grandes benefícios para a saúde. Mais uma vez, tornar-se consciente do que está acontecendo é um requisito indispensável.

Melhor alimentação

É necessário saber quais devem ser os alimentos consumidos regularmente, bem como quais são as consequências (positivas ou negativas) que vêm junto com eles. E então, a partir desse conhecimento, agir de forma apropriada.

Salvo exceções, mesmo pequenas mudanças nas dietas já podem ser suficientes para perceber os resultados. É preciso diminuir os níveis de sal e açúcar, assim como incluir mais frutas e verduras no menu diário.

Além disso, na medida do possível, é necessário evitar o consumo de alimentos processados e de gorduras saturadas.

Abandonar os maus hábitos

Fumar é o exemplo clássico quando se fala de maus hábitos com resultados catastróficos para a saúde. Assim, parar de fumar é uma dessas pequenas mudanças com efeitos positivos imediatos.

Não é nenhum segredo que superar o vício em tabaco e nicotina pode ser bastante difícil para a maioria dos envolvidos. Mas já está igualmente comprovado que não se trata de uma missão impossível.

Pequenas mudanças, objetivos realistas

Um dos erros mais comuns entre as pessoas que pretendem fazer mudanças radicais em relação à sua falta de atividade física é querer ir de ‘0 a 100’ em poucos dias. Por isso, não devemos nos esquecer de que quanto maior o período de sedentarismo, mais a adaptação ao exercício deve acontecer de forma mais lenta.

A soma de todos os detalhes

Muitas pessoas talvez possam achar que estabelecer metas do tipo: “caminhar 15 minutos em um ritmo médio, três vezes por semana, durante um mês” seja muito pouco. Porém, essas pequenas mudanças, uma vez que se tornam hábitos, geram novos desafios que vão  se traduzir progressivamente em um melhor condicionamento físico.