As melhores viradas da história do tênis

6 de setembro de 2019
Uma virada representa uma façanha para o vencedor e uma frustração para o derrotado. No tênis, já ocorreram grandes proezas, dignas de destaque.

Virar um jogo de tênis depois de estar perdendo não é nada fácil, devido ao estado de espírito e à ansiedade vivenciada pelo jogador em desvantagem. No entanto, isso certamente é algo possível. A seguir, vamos apresentar algumas das melhores viradas do tênis, que mostram que nada está perdido até o jogo terminar.

Viradas históricas no tênis profissional

Chanda Rubin versus Jana Novotna

Em 1995, no torneio de Roland Garros, a americana Chanda Rubin estava perdendo por 5 games a 0 e 40 pontos a 0 no tiebreak, contra Jana Novotna.

De uma maneira incrível, Rubin conseguiu salvar nove match points, vencendo o último set e passando para a próxima rodada. Dessa forma, ela alcançou uma das maiores viradas que já foram vistas no tênis.

Djokovic versus Federer

Mais recentemente, nas semifinais do US Open de 2011, Djokovic estava perdendo no tiebreak, por 5 games a 3 e 40 pontos a 15, com o saque a favor de seu rival, Roger Federer, que se destaca por ter um ótimo serviço.

Apesar de tudo isso, o sérvio conseguiu defender dois match points e virar o set, chegando assim à final e assinando outra das melhores viradas do tênis.

Robredo versus Rosol

Houve grandes viradas em 2014. Uma delas foi a do espanhol Tommy Robredo, que começou perdendo dois sets na primeira rodada do Aberto da Austrália contra Lukas Rosol, mas conseguiu virar o placar e passar para a próxima rodada.

viradas do tênis

Imagem: Getty.

Após essa vitória, Robredo se tornou um dos quatro jogadores com uma porcentagem de vitórias superior a 80% em partidas de cinco sets. Obviamente, a sua força mental faz com que ele se sobressaia em determinadas circunstâncias.

Federer versus Monfils

Outra das melhores viradas do tênis foi a que Federer protagonizou diante de Gael Monfils em 2018, nas quartas de final do US Open. O suíço estava perdendo por 2 sets a 0, mas conseguiu virar após 3 horas e 30 minutos de jogo.

Kyrgios versus Gasquet

Também em 2018, Nick Kyrgios conseguiu vencer Richard Gasquet na segunda rodada de Wimbledon, depois de estar perdendo por 2 sets a 0. Dessa forma, o grego colocou a sua marca nessa que foi outra das melhores viradas do tênis.

Thiem versus Del Potro

No US Open de 2017, Dominic Thiem e Juan Martín del Potro se enfrentaram nas oitavas de final. Tudo parecia estar a favor do jogador austríaco, já que ele venceu os dois primeiros sets com uma vantagem esmagadora.

No entanto, no terceiro set, o tenista argentino venceu por 6 a 1. No set seguinte, com um empate de seis games no placar, Thiem teve dois match points, que Del Potro conseguiu salvar.

Depois de vencer esse set, a moral do argentino estava nas nuvens, enquanto parecia que Thiem não levantaria mais a cabeça. E assim aconteceu: no último set, del Potro conseguiu vencer por 6 a 4, conquistando a vitória e uma das melhores viradas do tênis. Terminada a partida, o argentino deu as seguintes declarações:

«Eu estava pensando em desistir no segundo set, não estava conseguindo respirar direito. Foi uma das partidas mais épicas da minha carreira»
—Juan Martín del Potro—

Bautista versus Norrie

Na Copa Davis de 2018, Espanha e Inglaterra se enfrentaram. Após a vitória de Albert Ramos, era a vez de Roberto Bautista, que enfrentaria Cameron Norrie.

Depois de o jogador espanhol ter vencido os dois primeiros sets, o jovem britânico conseguiu virar o placar e ganhou os três últimos sets, com uma vantagem expressiva em cada um deles. Ele deixou Batista com o seguinte placar: 4-6, 3-6, 6-3, 6-2 e 6-2.

As melhores viradas do tênis

Imagem: Marca.

O compatriota de Cameron, Andy Murray, não demorou a dar declarações sobre o jogo e afirmou que havia sido uma das melhores viradas do tênis que ele já viu:

«Este jogo foi um dos melhores resultados e vitórias que eu já vi. Parabéns, Cameron»
—Andy Murray—

Em conclusão, as viradas não são nada fáceis no tênis, especialmente depois de estar perdendo por dois sets a zero. No entanto, essa é uma conquista que demonstra a força, tanto física quanto mental, que os tenistas precisam ter para virar o placar. Definitivamente, um talento reservado para poucos.