Você conhece os Jogos Olímpicos da Juventude?

17 de dezembro de 2018
Saiba mais sobre os Jogos Olímpicos da Juventude, que em 2018 aconteceram pela primeira vez fora do continente asiático

O criador de um dos eventos esportivos mais importantes da história moderna é o austríaco Johann Rosenzopf. Há algumas décadas atrás, ele criou o que depois se tornariam os Jogos Olímpicos da Juventude.

Ele é um ex-engenheiro industrial, muito preocupado com os alarmantes índices de obesidade infantil em todo o mundo. Foi por isso que ele se mobilizou para criar essa Olimpíada para os jovens.

No começo, o Comitê Olímpico Internacional (COI) não pretendia criar novos eventos de esportes. Os principais nomes da federação esportiva mundial temiam sobrecarregar o calendário de competições. Mas. além disso, o que mais preocupava era o risco econômico que um evento desse poderia trazer.

Até que em 5 de julho de 2007, a luta de Rosenzopf rendeu frutos. Foi durante a 119ª assembleia do COI que finalmente sua ideia ganhou cartão verde. No entanto, apenas em 2010 ele foi reconhecido como criador desse evento olímpico.

Crianças prontas para correr em uma pista de atletismo

Singapura 2010: Os primeiros Jogos Olímpicos da Juventude

A primeira edição denominada oficialmente como Jogos Olímpicos da Juventude aconteceu entre 14 e 26 de Agosto de 2010. Cerca de 3600 atletas entre 14 e 18 anos competiram em 204 eventos de 26 modalidades esportivas.

O evento não ficou livre de polêmicas, ainda que tenha sido reconhecido como um sucesso por todo o mundo. A triatleta japonesa Yuka Salto entrou para a história. Aos 18 anos, ela recebeu a primeira medalha de ouro da história da competição.

A China, com um total de 51 medalhas (31 de ouro, 16 de prata e 5 de bronze) terminou no topo do quadro de medalhas. O pódio teve ainda Rússia e Coreia do Sul. A delegação brasileira ficou na 21ª colocação na classificação geral, conquistando duas medalhas de ouro, três de prata e uma de bronze.

Durante os 13 dias do evento esportivo juvenil, nem tudo foram competições. Jovens de todos os cantos do planeta tiveram a oportunidade de debater importantes temas relacionados à saúde, educação e igualdade.

Nanquim 2014

A segunda edição dos Jogos Olímpicos da Juventude também foram realizadas no oriente. Nanquim, no leste da China, foi a cidade onde se reuniram as comissões esportivas jovens de 204 países, entre os dias 16 e 28 de agosto de 2014.

A China se manteve no lugar mais alto do quadro de medalhas, com 36 medalhas douradas, 13 de prata e 14 de bronze. A Rússia também manteve o segundo lugar, e os Estados Unidos completaram o pódio.

O Brasil melhorou sua participação e conquistou seis medalhas de ouro, seis pratas e um bronze, terminando na nona colocação.

Além dos eventos esportivos, o programa cultural e educativo também teve um peso específico no desenvolvimento dos jogos. Um dos objetivos do comitê organizador era promover um estilo de vida saudável entre a juventude, partindo dos valores Olímpicos.

Buenos Aires: primeira sede fora da Ásia

Em 2018, a metrópole sul americana foi escolhida como a sede para a terceira edição dos Jogos Olímpicos da Juventude. A capital argentina venceu Medellin (Colômbia) e Glasgow (Escócia), as outras duas cidades que mantiveram suas candidaturas até a votação final.

Nesta ocasião, foram convocados 4.012 atletas de 206 países dos cinco continentes. Estrearam no programa oficial oito novas modalidades. Foram elas: karatê, escalada esportiva, breaking, patinação de velocidade sobre rodas, futsal, kitesurf, handebol de praia e BMX freestyle.

Jogos sem quadro de medalhas oficial

Para muitos, ver quantas medalhas cada delegação nacional consegue faz parte do atrativo desse tipo de eventos esportivos. No entanto, o comitê organizador resolveu acabar com o “problema” que pode ser compilar esses dados.

Isso porque insiste-se que a ideia principal é integrar jovens de todos os cantos do planeta. O fato do atleta participar já deve ser encarado como vitória, indo muito além da conta de medalhas por países.

Mascote pandi dos jogos olimpicos da juventude

Pandi, a mascote oficial

Os mascotes não podem faltar em nenhuma competição esportiva mundial. A escolhida para Buenos Aires 2018 foi Pandi, um jaguar de aparência juvenil. Esse animal é habitante do norte da Argentina e atualmente se encontra em perigo de extinção.

A missão dessa mascote é parecida com personagens de outras competições: inspirar os jovens sobre o poder transformador do esporte.

O próximo encontro: Dakar 2022

O Comitê Olímpico Internacional decidiu dar mais protagonismo à África. E por isso os IV Jogos Olímpicos Da Juventude já têm sede confirmada. Dakar, capital do Senegal, será a responsável por receber um novo grupo de jovens atletas de todo o mundo.