Descubra tudo sobre a combinação de cafeína e esporte

· 2 de dezembro de 2018
Não é raro combinar a cafeína com o esporte, já que ela pode nos ajudar a melhorar os resultados e diminuir a sensação de cansaço, mas também precisamos saber até que ponto essa substância nos influencia de forma positiva

É bastante comum tomar café para estudar ou trabalhar de madrugada, mas você sabia que essa bebida não só estimula o seu cérebro como também sua capacidade motora? Mesmo que você não acredite pode existir uma boa relação entre cafeína e esporte.

Cafeína e esporte: despertando o organismo

Muito já foi falado e pesquisado sobre os efeitos estimulantes do café. Todos nós sabemos que tomar uma xícara de café pode nos manter acordados, até mesmo se estivermos com muito sono. Claro que esse efeito acontece devido à estimulação do sistema nervoso.

Esse estímulo provocado pela ingestão de café não só consegue inibir a sensação de sonolência. Na verdade, todo o nosso organismo responde à essa excitação proveniente das diversas terminações nervosas. Basicamente, nosso corpo entra em estado de alerta e isso melhora suas respostas.

Mulher depois de malhar bebendo um shake

Como consequência dessa estimulação, o rendimento esportivo aumenta. Se analisarmos com mais atenção, um esportista pratica esporte entre outras coisas para ter respostas mais rápidas a certos estímulos. Além disso, cafeína e esporte combinam porque ela melhora a resistência durante o exercício.

Células e cafeína: como elas trabalham

A eficácia da cafeína é imediata e isso se deve à sua capacidade de ser absorvida rapidamente pelo nosso organismo. Essa substância se espalha rapidamente por todas as células. Uma hora depois da sua ingestão seus níveis aumentam no nosso sangue.

Na prática observamos que alguns esportistas complementam seu café da manhã com tomando um café ou chocolate. Trata-se de aproveitar os benefícios da cafeína.

Atualmente, já se sabe da relação que existe entre a cafeína e os nossos processos metabólicos. A ingestão desse produto aumenta a frequência cardíaca e o bombeamento de sangue. Isso, por sua vez, aumenta os níveis de calor no corpo, favorecendo a queima de calorias.

Dessa forma, a cafeína não apenas nos estimula, mas estimula também a formação muscular, que é favorecida em alguma medida.

Na prática, ainda falta muitos estudos para entender, na sua totalidade, a relação entre atividade física e os produtos à base de cafeína. O que sabemos no entanto é que se trata de uma substância que causa dependência.

Cafeína e esporte: ajuda ergogênica

Existem alguns fatores que influenciam a cafeína a incrementar o rendimento do esportista:

  • Aumento do metabolismo de carboidratos exógenos: isso contribui para a queima de calorias que estão em excesso no corpo. A tonicidade muscular é beneficiada em algum nível devido a isso.
  • Incremento da oxidação dos ácidos graxos: isso significa queima de gordura e aumento do metabolismo. De novo, trata-se de um grande passo na formação muscular.
  • O aumento dos níveis de adrenalina: um incremento dos níveis de cafeína melhora nossa resposta imediata durante o exercício e permite-nos superar a fadiga com maior facilidade.
  • Diminuição do potássio intersticial: isso acontece diretamente nos músculos. A sensação de fadiga é adiada, o que equivale a uma maior eficiência e resistência na realização do exercício físico.
Mulher bebendo café na academia

Existem também efeitos colaterais negativos

O consumo controlado de cafeína no esporte não deveria trazer maiores problemas. Na verdade, o café e as bebidas de chocolate são permitidas e são legalizadas na nossa cultura. No entanto, o excesso sempre é ruim. Devemos partir de uma realidade inquestionável: essa é uma substância que provoca dependência.

Existem outros efeitos causados pelo seu consumo excessivo: enjoos, problemas digestivos, aumento da pressão arterial e dores gastrointestinais. Além disso, pode-se incluir como efeitos as enxaquecas e algumas deficiências motoras, em contraposição a capacidades intelectuais e esportivas.

A longo prazo, a dependência desse produto alimentar pode gerar um efeito contraproducente. Por isso, existe uma opinião contrária à ingestão de produtos como o café antes da realização de atividades físicas. Acrescenta-se a isso que nem todo organismo assimila de maneira igual a cafeína.

Cafeína e esporte: quanto podemos consumir?

Tudo vai depender do organismo de cada pessoa. A ingestão de mais ou menos 100 mg antes do treino pode ser mais do que suficiente para as pessoas que não estão acostumadas com essa substância. Isso vai possibilitar que essas pessoas se mantenham ativas, estimuladas e com maior resposta nervosa.

Se já estivermos familiarizados com bebidas como o chá, o café ou alimentos como o chocolate, por volta de 200 mg seria a quantidade recomendada.

Em linhas gerais, recomenda-se o consumo de 4 mg a 8 mg por cada quilograma de peso corporal. Claro que a decisão de utilizar ou não a cafeína vai ficar por conta de cada esportista.