A pior época do piloto Jorge Lorenzo

3 de janeiro de 2019
Nem Jorge Lorenzo nem ninguém poderia esperar o fracasso que seria a sua chegada à Ducati; o espanhol colocou um fim ao seu pesadelo depois de anunciar sua mudança para a Honda para a temporada 2019, mas vai demorar para esquecer as atípicas duas temporadas em que correu pela equipe italiana

Jorge Lorenzo é um dos pilotos mais bem sucedidos da história do motociclismo espanhol. Ele tem dois títulos mundiais nas 250cc e três na categoria MotoGP como piloto da Yamaha.

Sua carreira cheia de sucessos passou a ser mais difícil depois de assinar com a Ducati. O que parecia ser uma relação idílica que levaria o piloto e a equipe ao topo, na verdade, resultou em uma grande decepção.

Jorge Lorenzo e sua decepção na Ducati

Depois de nove temporadas como piloto da Yamaha, onde havia ganhado três campeonatos mundiais e três vice-campeonatos, Lorenzo colocou um ponto final na relação com a marca japonesa e assinou com a Ducati em 2016.

Esta decisão foi tomada como consequência do mau relacionamento com Valentino Rossi e o poder que ele tem na Yamaha, bem como pelos bons resultados que a Ducati teve durante a temporada de 2016.

Jorge Lorenzo falando com fãs e imprensa

Após a sua saída da Yamaha, Jorge Lorenzo não conseguiu sorrir tantas vezes, apesar de ter se livrado do problema com Rossi.

Desde o início da temporada, era visível que as coisas não iam bem. Lorenzo começa com uma discreta 11ª posição, seguida por um abandono e uma 9ª posição. Apesar do fato de que no Grande Prêmio da Espanha ele conseguiu subir no terceiro degrau do pódio, os resultados não foram nem de longe os esperados.

O desempenho de Lorenzo ao longo da temporada surpreendeu e desapontou. Até a temporada passada, o seu pior resultado na MotoGP foi a 4ª posição no campeonato mundial que ele alcançou no seu primeiro ano como estreante. Por outro lado, nesta temporada, ele teve que se contentar com o 7º lugar.

Aparentemente todos os problemas têm a mesma origem: a má adaptação de Jorge Lorenzo à Ducati. O modo de pilotar do piloto não é a ideal para esta moto, que se assemelha muito pouco à Yamaha.

Para facilitar a adaptação de Jorge Lorenzo, a Ducati pensou em fabricar um chassis diferente para cada piloto, mas acabou por finalmente rejeitar a ideia.

Lorenzo durante uma prova

Derrotado pelo seu companheiro de equipe

Como dizem no mundo do esporte a motor, seu maior rival é o seu companheiro de equipe. O piloto que obtém melhores resultados que o parceiro mostra que sabe como exprimir melhor o potencial da moto e que é mais competitivo.

Assim, não é agradável para nenhum piloto que um companheiro de equipe com a mesma moto tenha mais pontos no final da temporada. Este foi o caso de Jorge Lorenzo.

O piloto viu Andrea Dovizioso ultrapassá-lo durante toda a temporada e em todos os aspectos. Enquanto Lorenzo lutava para subir ao pódio, Dovizioso teve a chance de ser campeão mundial até a última corrida do campeonato. Excelentes resultados considerando a superioridade da Honda e de Marc Márquez.

Lorenzo Jorge comemorando

A seguir, fazemos um comparativo entre o desempenho de Lorenzo e Dovizioso ao longo da temporada de 2017. Como pode ser visto, o piloto italiano, longe de se sentir intimidado pela chegada de Lorenzo à Ducati, conseguiu dar o melhor de si, demonstrando assim que é o piloto principal da equipe.

Jorge Lorenzo Andrea Dovizioso
Pontos 137 183
Pódios 3 5
Vitórias 0 4
Poles 0 0
Voltas rápidas 0 0
Posição no mundial

Não muito melhor em 2018

Após o mau desempenho de 2017, a temporada seguinte não trouxe uma grande mudança para o piloto espanhol. Apesar disso, ele conseguiu voltar a vencer corridas novamente, com 3 vitórias na falta de disputar o Grande Prêmio de Valência.

No entanto, Jorge Lorenzo é décimo no campeonato, o que é um resultado pior do que o sétimo lugar conseguido no ano passado.

Jorge Lorenzo Andrea Dovizioso
Pontos 130 220
Pódios 4 8
Vitórias 3 3
Poles 4 2
Voltas rápidas 2 4
Posição no mundial 10º

Assim, parece que ele não conseguiu se sentir confortável com a Ducati e a conta está ficando cara tanto para a equipe quanto para o piloto.

Ninguém duvida que é uma questão de tempo para que ele volte a lutar pelo título, mas parece que esse não é um futuro tão próximo. Porém, a Honda está esperando por ele e é possível que a situação mude drasticamente; por isso, devemos estar muito atentos.