Conheça os benefícios das oleaginosas

8 de junho de 2019
Se as oleaginosas não fazem parte da sua dieta diária, os seguintes dados servirão para repensar essa escolha. Elas são muito positivas para a saúde!

Consumir oleaginosas pode melhorar muitos aspectos da sua qualidade de vida, tais como permanecer jovem, prevenir doenças e nutrir o corpo. A seguir, vamos apresentar importantes razões pelas quais é conveniente adicioná-las à dieta diária.

As oleaginosas são muito consumidas no mundo todo. Elas têm nomes individuais, mas são agrupadas sob esse nome porque todas compartilham a mesma característica: possuem menos de 50% de água em sua composição. Neste artigo você vai descobrir os seus grandes benefícios para o organismo.

Amendoim, amêndoas, nozes, pinhões, avelãs e castanhas, entre outros, fazem parte do famoso grupo das oleaginosas. Todas elas têm diferentes propriedades que as tornam realmente positivas para o corpo humano. Continue lendo e descubra quais são elas!

Os grandes benefícios das oleaginosas

1. Possuem qualidades antioxidantes

As oleaginosas são uma excelente fonte de antioxidantes. Se você não consome muitas amêndoas, pistaches ou outras oleaginosas, é hora de incluí-las na sua dieta para aproveitar este benefício.

Os antioxidantes presentes nas oleaginosas têm a capacidade de combater o estresse oxidativo, neutralizando assim os radicais livres. Isso permite diminuir o dano celular e prevenir doenças.

Nesse sentido, os antioxidantes presentes nas oleaginosas também nos ajudam a permanecer mais jovens, pois retardam o envelhecimento. Da mesma forma, evitam doenças cardiovasculares e neurodegenerativas.

Grandes benefícios das oleaginosas

2. Têm muitos nutrientes

Embora não pareça, essas pequenas nozes, sementes de girassol, avelãs e outras oleaginosas contêm diversos nutrientes essenciais para o organismo. Embora a quantidade desses nutrientes varie dependendo da oleaginosa, todas elas têm os seguintes elementos:

  • Proteínas.
  • Vitamina E.
  • Fibras.
  • Magnésio.
  • Manganês.
  • Selênio.
  • Cobre.
  • Fósforo.
  • Carboidratos.

3. Diminuem a inflamação

A inflamação é a maneira pela qual o corpo se defende de lesões, bactérias e outros patógenos potencialmente nocivos. No entanto, a inflamação crônica pode causar danos aos órgãos e aumentar o risco de doenças a longo prazo.

Algumas pesquisas sugerem que a ingestão de oleaginosas pode reduzir a inflamação e promover o envelhecimento saudável. Em um estudo sobre a dieta mediterrânea, pessoas que consumiram oleaginosas experimentaram uma diminuição de 35% a 90% nos índices inflamatórios.

Da mesma forma, verificou-se que algumas oleaginosas, tais como pistache, castanha do Pará, nozes e amêndoas, combatem a inflamação em pessoas saudáveis e também em pessoas com doenças graves, tais como os vários tipos de diabetes ou problemas renais.

4. Reduzem o colesterol e os triglicérides

As oleaginosas têm efeitos impressionantes sobre os níveis de colesterol e triglicérides. Este poder redutor do colesterol por parte das oleaginosas pode ter como origem o seu alto teor de ácidos graxos monoinsaturados e poli-insaturados.

Amêndoas e avelãs parecem elevar o colesterol HDL, o colesterol bom, ao mesmo tempo em que diminuem o colesterol LDL total e o ruim. Além disso, um estudo descobriu que as avelãs, tanto moídas quanto cortadas ou inteiras, tinham efeitos benéficos similares sobre os níveis de colesterol.

Outro estudo com mulheres com síndrome metabólica observou que comer uma mistura de 30 gramas de oleaginosas por dia durante 6 semanas reduziu significativamente todos os tipos de colesterol, com exceção do bom.

o colesterol e os triglicérides

5. Ricas em fibras

Certamente as fibras proporcionam muitos benefícios para a saúde. Embora o corpo não possa digeri-las, as bactérias que vivem no cólon podem.

Muitos tipos de fibras funcionam como probióticos, ou seja, alimentos para as bactérias intestinais saudáveis. Elas fermentam as fibras e as transformam em ácidos graxos de cadeia curta (AGCC), que são benéficos.

Desta forma, os AGCC conseguem melhorar a saúde intestinal e reduzem o risco de diabetes e obesidade. Além disso, as fibras produzem saciedade e reduzem a quantidade de calorias que são absorvidas das refeições.

Em resumo, as oleaginosas podem parecer alimentos simples para serem consumidos de vez em quando. No entanto, você obteria benefícios maravilhosos se decidisse incluí-las na sua dieta com uma maior frequência. Você pode até mesmo consumi-las para substituir guloseimas processadas.

Por exemplo, você pode comer oleaginosas nos lanches, como acompanhamento em várias receitas ou fazer smoothies, entre outras opções para aproveitar o seu sabor e nutrir o seu corpo. Não fique mais pensando, aproveite já os benefícios das oleaginosas! 

  • Haddad, E. H., Gaban-Chong, N., Oda, K., & Sabaté, J. (2014). Effect of a walnut meal on postprandial oxidative stress and antioxidants in healthy individuals. Nutrition Journal13(1)  https://doi.org/10.1186/1475-2891-13-4. 
  • Rahman, K. (2007). Studies on free radicals, antioxidants, and co-factors. Clinical Interventions in Aging. https://doi.org/http://dx.doi.org/
  • Grosso, G., & Estruch, R. (2016, February 1). Nut consumption and age-related disease. Maturitas. Elsevier Ireland Ltd. https://doi.org/10.1016/j.maturitas.2015.10.014
  • Damasceno, N. R. T., Sala-Vila, A., Cofán, M., Pérez-Heras, A. M., Fitó, M., Ruiz-Gutiérrez, V., … Ros, E. (2013). Mediterranean diet supplemented with nuts reduces waist circumference and shifts lipoprotein subfractions to a less atherogenic pattern in subjects at high cardiovascular risk. Atherosclerosis230(2), 347–353. https://doi.org/10.1016/j.atherosclerosis.2013.08.014
  • Tey, S. L., Delahunty, C., Gray, A., Chisholm, A., & Brown, R. C. (2015). Effects of regular consumption of different forms of almonds and hazelnuts on acceptance and blood lipids. European Journal of Nutrition54(3), 483–487.
  • Chiang, Y. L., Haddad, E., Rajaram, S., Shavlik, D., & Sabaté, J. (2012). The effect of dietary walnuts compared to fatty fish on eicosanoids, cytokines, soluble endothelial adhesion molecules and lymphocyte subsets: A randomized, controlled crossover trial. Prostaglandins Leukotrienes and Essential Fatty Acids87(4–5), 111–117.
  • Bakhtyari, L., Vafaeimanesh, J., Khorramirad, A., Parham, M., Hozoori, M., Heidari, S., & Hosseinzadeh, F. (2014). Effects of Pistachio Nut Supplementation on Blood Glucose in Patients with Type 2 Diabetes: A Randomized Crossover Trial. The Review of Diabetic Studies11(2), 190–196.
  • Stockler-Pinto, M. B., Mafra, D., Moraes, C., Lobo, J., Boaventura, G. T., Farage, N. E., … Malm, O. (2014). Brazil nut (Bertholletia excelsa, H.B.K.) improves oxidative stress and inflammation biomarkers in hemodialysis patients. Biological Trace Element Research158(1), 105–112.
  • Stockler-Pinto, M. B., Mafra, D., Farage, N. E., Boaventura, G. T., & Cozzolino, S. M. F. (2010). Effect of Brazil nut supplementation on the blood levels of selenium and glutathione peroxidase in hemodialysis patients. Nutrition26(11–12), 1065–1069.
  • Jamshed, H., Sultan, F. A. T., Iqbal, R., & Gilani, A. H. (2015). Dietary Almonds Increase Serum HDL Cholesterol in Coronary Artery Disease Patients in a Randomized Controlled Trial. The Journal of Nutrition145(10), 2287–2292. https://doi.org/10.3945/jn.114.207944
  • Wu, L., Piotrowski, K., Rau, T., Waldmann, E., Broedl, U. C., Demmelmair, H., … Parhofer, K. G. (2014). Walnut-enriched diet reduces fasting non-hdl-cholesterol and apolipoprotein b in healthy caucasian subjects: A randomized controlled cross-over clinical trial. Metabolism: Clinical and Experimental63(3), 382–391.