Você é um magro metabolicamente obeso?

· 11 de abril de 2019
O peso não é o único parâmetro que determina se uma pessoa é obesa ou não. O IMC, até agora, era o parâmetro utilizado para diagnosticar a presença de obesidade, mas hoje precisamos de mais do que isso.

Um magro metabolicamente obeso é mais comum do que podemos imaginar, mesmo que pareça estranho. Muitos de vocês se perguntarão quem são essas pessoas. Poderíamos defini-las como pessoas que não excedem seu peso, mas têm um excesso de gordura no corpo.

Embora o IMC tenha correlação com o percentual de gordura corporal, sempre há pessoas com um IMC e um peso normal, mas que podem ser uma pessoa magra metabolicamente obesa.

O magro metabolicamente obeso é uma pessoa que tem um IMC inferior a 25, mas apresenta adiposidade a nível abdominal-visceral, resistência à insulina, pressão alta, menor nível de atividade física e um perfil lipídico aterogênico.

Os magros metabolicamente obesos mostram que ser magro não significa ser saudável e que, além do peso, o que importa são outros parâmetros como, por exemplo, a porcentagem de gordura corporal.

Skinny fat

magro metabolicamente obeso

Skinny fat é como são denominadas coloquialmente as pessoas magras e com um bom corpo, que possuem pouca massa muscular. O termo médico é Metabolicamente Obeso com Peso Normal (MOPN).

A saúde dessas pessoas pode se tornar tão vulnerável que “é melhor ser gordo e atlético do que magro e sem condição”, conforme aponta o Dr. Mark Hyman em um artigo do The Huffington Post. E a razão é que o corpo pode armazenar vários tipos de gordura.

Um dos fatores que podem levar a essa condição é o consumo de alguns tipos de carboidratos e a consequente produção de insulina; isso favorece o aparecimento de gordura visceral, além de alterações metabólicas que causam inflamação e perda muscular.

Por sua vez, esse tecido adiposo favorece a resistência à insulina, substância que regula os níveis de açúcar no sangue. A presença de gordura visceral cria a condição ideal para desenvolver diabetes, independentemente da altura e do peso.

Um estudo publicado em 2012 pela revista científica Journal of American Academy of Pediatrics, demonstrou que 61% dos adolescentes com peso normal incluídos em uma pesquisa sofriam de pelo menos uma doença relacionada ao alto nível de gordura no corpo.

Estamos falando da hipertensão, pré-diabetes ou colesterol alto. No caso de jovens com sobrepeso e obesidade, os números eram menores, 37% e 49%, respectivamente.

Soluções para não ser um magro metabolicamente obeso

A primeira mudança está em sua alimentação: incluir em sua dieta proteína animal (frango, ovos ou peixe), sementes, vegetais e frutas em abundância.

Vários alimentos saudáveis

Também é necessário reduzir o consumo de refrigerantes, sucos processados e álcool – são uma importante fonte de calorias e açúcar.

Além disso, você deve aumentar a quantidade de proteína em cada refeição, especialmente no café da manhã. Começar o dia com proteína animal ou vegetal permite controlar o desejo de comer e acelerar o seu metabolismo.

Os ácidos graxos ômega 3, encontrados em sardinhas e salmão, entre outros alimentos, são essenciais para o controle do colesterol.

Para complementar essas mudanças , além de comer bem, você deve se exercitar, especialmente exercícios cardiovasculares – natação, corrida ou ciclismo – ou exercícios para fortalecer os músculos. Tudo isso ajudará a controlar a gordura visceral.

Como você pode ver, ser um magro metabolicamente obeso se deve, em parte, ao estilo de vida. Não se esqueça que também existem fatores genéticos que influenciam.

Vá ao seu médico para realizar exames de glicose no sangue, triglicerídeos, colesterol, pressão arterial e saber se você é ou não um skinny fat. Além da porcentagem de gordura corporal, que é medida com escalas ou medidores especiais, há outros exames mais importantes.