Razões para treinar o assoalho pélvico durante a gravidez

· 6 de janeiro de 2019
Durante a gravidez sofremos várias mudanças devido a alterações hormonais, por isso é muito importante tomar algumas atitudes como treinar o assoalho pélvico.

O assoalho pélvico é um conjunto de músculos e ligamentos que fecham a cavidade abdominal em sua parte inferior. Sua função é apoiar os órgãos pélvicos (bexiga e uretra, útero e vagina e reto) na posição adequada, porque seu funcionamento normal depende disso. Veja como treinar o assoalho pélvico a seguir.

Funções do assoalho pélvico

  • Funções de continência: o assoalho pélvico controla os esfíncteres, portanto, ter um assoalho pélvico forte nos ajudará a ter uma micção saudável.
  • Função sexual: Os músculos perineais tonificados melhoram a qualidade das relações sexuais.
  • Função reprodutiva: o períneo é o último obstáculo para a cabeça do bebê, ajuda a cabeça a girar e produz uma contração reflexa no útero que faz com que a gestante queira empurrar.
  • Função de suporte: o períneo suporta a bexiga, o útero, a vagina e o reto. Se você também está gravida, tem que adicionar o peso do feto, então treinar o assoalho pélvico durante a gravidez é muito importante.
Mulher fazendo exercícios para o assoalho pélvico

Exercícios para fortalecer o assoalho pélvico

Os exercícios de Kegel consistem na contração dos músculos para treinar o assoalho pélvico durante a gravidez ou em qualquer momento da sua vida.

Um dos exercícios que você deve executar é contrair os músculos quando for ao banheiro para urinar e tentar cortar o jato de urina voluntariamente.

Existem vários exercícios de Kegel que você pode executar, como:

  • O lento: você contrai os músculos do assoalho pélvico por cinco segundos, enquanto você respira suavemente, e depois os relaxa por mais cinco segundos. Repita 10 vezes.
  • O rápido: contraia e relaxe os músculos o mais rápido que puder, por dois ou três minutos. Comece com 10 repetições e gradualmente aumente para 50 repetições por dia.
  • O elevador: trata-se de contrair lentamente os músculos, imaginando que é um elevador que sobe devagar e para alguns segundos em cada andar.
  • A onda: é feita contraindo primeiro os músculos ao redor da uretra e depois os da região anal, relaxando-os de trás para frente.

Estes exercícios para fortalecer o assoalho pélvico podem ser feitos em quase qualquer hora e lugar, já que do lado de fora ninguém percebe o que você está fazendo. Recomenda-se praticá-las quantas vezes for possível, diariamente.

Grávida praticando exercícios

Vantagens de treinar o assoalho pélvico durante a gravidez

Durante a gravidez, o feto está ganhando peso e o útero está aumentando. Assim, a bexiga tem que suportar o aumento da pressão, o que leva a problemas de incontinência. Então, se você treinar o assoalho pélvico durante a gravidez, você diminuirá a continuidade de idas ao banheiro.

Por outro lado, recomenda-se às mulheres grávidas que fortaleçam o assoalho pélvico, pois isso irá ajudá-las a facilitar o parto e reduzir significativamente as chances de uma ruptura durante o mesmo.

Outro motivo importante para realizar os exercícios em questão é que considera-se que eles permitirão que a mulher se recupere muito melhor no período pós-parto em termos de relações sexuais.

Mais especificamente esse tipo de exercício servirá para tonificar os músculos vaginais e isso permitirá que você retorne para desfrutar do sexo o mais rápido possível. Além disso, essa medida ajudará você a aumentar o seu prazer sexual.

Mulher grávida segurando a barriga

Também é importante saber que o exercício dessa área é uma ótima maneira de garantir que a mulher não sofra incontinência durante o período pós-parto. Desta forma você pode evitar que seu xixi escape por gestos tão simples e habituais como tossir ou rir, por exemplo.

Também não devemos esquecer que é considerado uma boa medida para a gestante lidar melhor com o ganho de peso que ela vem experimentando.

  • Grape, H. H., Dedering, Å., & Jonasson, A. F. (2009). Retest reliability of surface electromyography on the pelvic floor muscles. Neurourology and Urodynamics. https://doi.org/10.1002/nau.20648