Tipos de doenças inflamatórias intestinais

27 de janeiro de 2020
Colite ulcerativa ou doença de Crohn? Em que elas diferem?

As doenças inflamatórias intestinais são um grupo de patologias que incluem a colite ulcerativa, a doença de Crohn e a colite não classificável. Quais são as suas características?

Características das doenças inflamatórias

Sob esse nome estão incluídas as doenças que cursam com uma inflamação crônica e recorrente de diferentes partes do trato digestivo, que afeta principalmente o intestino. Elas são classificadas em três grupos:

  • Colite ulcerativa
  • Doença de Crohn
  • Colite não classificável ou indeterminada: quando não está claro de qual das duas anteriores se trata.

Todas elas são de etiologia desconhecida. A hipótese mais aceita é a falta de tolerância à própria flora intestinal. Essa falta de tolerância causa uma resposta autoimune e inflamatória contra a mucosa.

Além disso, existem fatores genéticos envolvidos na transmissão da doença. Assim, quando um dos pais sofre do problema, é mais provável que o filho também sofra da doença.

Colite ulcerativa

Afeta apenas o cólon, embora a inflamação comece no reto, o que se conhece como comprometimento retal. A inflamação afeta apenas a mucosa, e aqui está a principal diferença com a síndrome de Crohn.

Uma das soluções possíveis é a cirúrgica: se o cólon for removido, o quadro é resolvido. No que diz respeito à sintomatologia, ela se manifesta com diarreia com ou sem sangue, perda de peso muito acentuada e escarro retal (quando muco com sangue é eliminado nas fezes).

Doença de Crohn

Pode afetar qualquer seção do trato digestivo, desde a boca até o ânus. Na maioria das vezes, no entanto, a inflamação ocorre no íleo distal. Essa inflamação não está presente apenas na mucosa, mas afeta toda a parede.

As complicações mais frequentes desse quadro são as fístulas e abscessos, que ficam cheios de pus e alimentos. A cirurgia não pode ser usada para resolver a condição.

Doenças inflamatórias intestinais

Esses indivíduos, na maioria dos casos, sofrem de desnutrição. Portanto, uma abordagem multidisciplinar é essencial para minimizar os danos.

Alguns dos sintomas mais comuns são: diarreia, dor abdominal intensa e perda de peso. Às vezes, pode ser acompanhada de sintomas de constipação, já que as áreas estenóticas impedem que as fezes se movam, de modo que elas ficam fermentadas.

Problemas relacionados à alimentação

O principal problema é que as necessidades proteicas e calóricas não são atendidas devido à inflamação. Além disso, existem outras situações que acompanham a progressão da doença:

Aversão alimentar

Um dos principais problemas para esses indivíduos é o aparecimento da aversão a certos alimentos, ansiedade ou até mesmo medo da comida, tudo isso derivado da dor abdominal.

A distensão abdominal e as náuseas ou diarreia após as refeições determinam a sua ingestão. Esses indivíduos tendem a comer muito pouco e isso geralmente leva à desnutrição.

As recomendações oficiais restringem apenas os alimentos que produzem desconforto abdominal. Além disso, nos casos em que há estenose de alguma parte do intestino, a proliferação bacteriana é favorecida. Esse crescimento bacteriano é acompanhado por sintomas que podem limitar a ingestão de alimentos.

Anemia

A anemia pode ser uma complicação associada a esta doença. A perda de ferro é causada pela perda de sangue devido ao processo inflamatório ou pela má absorção direta do ferro.

Má absorção

Outra complicação associada às doenças inflamatórias intestinais é a má absorção. Isso afeta tanto os macronutrientes (carboidratos, gorduras e proteínas) quanto os micronutrientes (vitaminas, minerais e oligoelementos).

As causas desse sintoma são a diarreia, a síndrome de supercrescimento bacteriano ou as reações intestinais devido à perda da funcionalidade de algumas partes do trato digestivo.

Doenças inflamatórias intestinais

Objetivos do tratamento

Embora sejam chamadas de doenças inflamatórias intestinais crônicas, nem sempre elas são assim. Trata-se de um tipo de patologia em que há crises. Dependendo do número de evacuações, febre ou presença de sangue nas fezes, as necessidades nutricionais podem ou não aumentar.

Portanto, os objetivos devem se concentrar em alcançar e manter um estado nutricional adequado, corrigindo os déficits e garantindo as necessidades nutricionais.

Da mesma forma, também é necessário tomar cuidado para reduzir a presença de sintomas durante as crises agudas, levando em consideração a presença ou ausência de estenose.

Finalmente, um acompanhamento dietético individualizado deve ser feito para tentar evitar restrições alimentares desnecessárias e para estabelecer um padrão alimentar equilibrado e saudável, além de também ser necessário manter um bom estado de hidratação.

  • Salas-Salvadó J, i Sanjaume AB et al. 2019. Nutrición y dietética clínica. Elsevier Health Sciences.