Os quatro ramos do Yoga para unir o corpo e a alma

· 30 de agosto de 2018
O objetivo do Yoga é a unificação de nossa alma com o corpo. Cada posição é um passo rumo à percepção do espiritual, uma abertura que nos traz bem-estar de corpo e mente. Veja nesse artigo alguns ramos do Yoga.

Ainda que se trate de uma atividade cada vez mais procurada, poucas pessoas conhecem os ramos do Yoga. A disciplina física e mental originária da Índia é mais completa do que a maioria das pessoas sabe. Não se trata de um grupo de exercícios desordenados para a flexibilidade. É, na verdade, uma filosofia organizada.

Jnana Yoga: uma postura ideal para os pensadores do mundo

Não é segredo para ninguém que, ao começarmos nesta prática, vamos melhorando nossa performance. Basicamente, começamos com exercícios de respiração profunda e o clássico cruzamento das pernas com as costas erguidas.

O fato de investir tempo nesta técnica pode ser muito proveitoso para relaxarmos depois de um longo dia de trabalho. Mas esta modalidade é recomendada, principalmente, para as pessoal com alma de filósofo. Os criativos, artistas e escritores, em qualquer idade, podem se beneficiar muito do Kundailni.

Pessoas praticando yoga

Kundailni Yoga: o que vemos geralmente nas aulas

Em geral, os principiantes nesta interessante disciplina começam pelo Kundailni Yoga. Isso ocorre porque suas posturas são bem fáceis e permitem ir preparando o corpo para esforços maiores. A maioria das posições feitas são simétricas e dirigidas para nos ensinar a respirar corretamente.

Na verdade, esse é um dos ramos do Yoga mais comerciais que existem. Assim, conhecemos os primeiros mudras, purificamos o corpo e também aprendemos alguns mantras. Essa modalidade também permite trabalhar pela primeira vez com os chacras.

Ashtanga Yoga: para a flexibilidade progressiva

O Ashtanga é basicamente o conjunto de aprendizagens que adquirimos quando nos matriculamos nas aulas. De todos os ramos do Yoga, tipos e variedades, o Ashtanga é talvez o mais físico. Com esse método, pode-se trabalhar muito bem a flexibilidade, mas também a resistência do corpo humano.

Esse ramo do Yoga é muito recomendado para recuperar o equilíbrio físico e mental que perdemos em nosso cotidiano na cidade. Trata-se de um grupo de posições que pode servir de exercício complementar para esportistas de todas as modalidades.

Como curiosidade, vale mencionar que os soldados da Índia praticam obrigatoriamente essas técnicas para melhorarem seus desempenhos físicos. 

Karma Yoga: começando a amar o próximo

Mais do que um treino, no karma Yoga passamos das palavras à ação. Quando já se tem um conhecimento avançando das posturas e da filosofia do Yoga, então começamos a mudar nosso interior. Esse é o caminho para a liberação e a transcendência.

Basicamente, essa crença fundamenta-se na realização de tarefas sem interesse próprio. A ideia é despertar nosso eu altruísta, conectado com a divindade e o intangível. Temos muitos professores de Yoga que simplesmente compartilham seu conhecimento sem cobrar nem sequer uma moeda.

Ramos do Yoga: conheça os oito pilares

É preciso lembrar que o Yoga é uma forma de vida e podemos aprender muito a partir de cada um dos tipos e de todos os seus conceitos. Por exemplo, o Yama corresponde aos códigos morais, e o Niyama é uma construção do próprio caráter. Ou seja, reforça a personalidade individual.

Entretanto, o Asana traz em si movimentos e posturas do Yoga. Como podemos ver, os exercícios são só uma parte dessa disciplina. Essa filosofia é aprendida junto com o Pranayama, que são as técnicas para o controle dos ritmo de respiração. Com tudo isso, trabalha-se a Dharana, ou a concentração.

mulher fazendo yoga

O conceito de Pratyahara faz alusão ao domínio que temos do ambiente e dos objetos externos a nós. Para finalizar, o Dhyana tem a ver com o alcance dos processos de meditação. Por sua vez, o Samadhi é o estado de consciência alterada, induzido pela meditação, tratando sempre de alcançar a paz e a serenidade.

Em conclusão, o Yoga é muito mais do que mostram os exercícios físicos. As posturas são somente a representação física dos ensinamentos da cultura da Índia em busca do desenvolvimento pessoal. O equilíbrio integral e a iluminação são a meta principal.