Tratamento para distensão dos isquiotibiais

4 de setembro de 2019
A distensão muscular é uma das lesões mais temidas por atletas e jogadores profissionais. A distensão dos isquiotibiais têm diferentes níveis e tratamentos, dependendo de vários fatores. A boa notícia é que o procedimento oferece garantia de recuperação.

A distensão dos isquiotibiais está entre as lesões mais comuns nos atletas. Elas podem acontecer por causa de um alongamento abrupto devido a uma contração, como resultado de um alongamento maior do que aquele que pode ser feito ou devido a uma contusão.

O nível de gravidade da lesão determina o tipo de tratamento a ser realizado. No entanto, deve ser esclarecido que esse geralmente é um processo muito doloroso em todos os casos.

Tratamento de acordo com a gravidade da distensão

Primeiramente, busca-se aliviar a dor do paciente. Para isso, é indicada a administração de analgésicos e o repouso. Para reduzir o inchaço, é muito útil aplicar compressas geladas e manter a perna elevada. Além disso, as faixas de compressão também facilitam o tratamento.

Tratamento da distensão dos isquiotibiais de grau 1 ou leve

Com uma distensão leve, o atleta mantém a mobilidade, mas sente desconforto e inflamação. Para a recuperação, aplica-se gelo periodicamente e é feito repouso com a perna elevada. Durante os três primeiros dias, é recomendado fazer alongamentos sem dor, tensão e mobilização ativa.

A partir do quarto dia, acrescenta-se o treino na piscina com exercícios funcionais. Gradualmente, adiciona-se mais peso às ações realizadas pelo atleta. No 8º dia, os exercícios específicos do esporte praticado já são recomendados.

Além disso, o treino deve manter uma sequência partindo de velocidades rápidas para lentas. O período para alcançar a recuperação total varia de 8 a 10 dias.

Tratamento da distensão dos isquiotibiais de grau 2 ou moderado

Com uma distensão de grau 2, o atleta sente um desconforto constante, mas ainda tem mobilidade. A dor piora com o toque e um pequeno inchaço já pode ser visualizado. Quando ocorre uma distensão desse tipo, a própria pessoa desiste de continuar com a atividade física.

Dicas para tratar a distensão dos isquiotibiais

O gelo, a compressão e o uso de muletas para não exercer pressão sobre a perna lesionada são medidas básicas. Durante os três primeiros dias, o tratamento consiste na mobilização e no alongamento indolor. No quarto dia, são acrescentados exercícios isocinéticos, ou seja, com velocidades angulares decrescentes.

Na segunda semana de tratamento, começa o trabalho com exercícios funcionais e na piscina. Nessa etapa, é feita a potenciação isocinética com atividades próprias do esporte. O período estimado de recuperação é de 15 a 21 dias.

Tratamento da distensão dos isquiotibiais de grau 3 ou grave

Assim como nos dois casos anteriores, o tratamento no grau 3 começa com gelo, muletas, mobilização indolor e elevação. Isso é realizado gradualmente, de acordo com as possibilidades de cada pessoa. No quarto dia, são acrescentadas sessões de eletroestimulação muscular.

Na segunda semana, é indicado começar com o treinamento e a potenciação isocinética. Por sua vez, o trabalho na piscina e o alongamento indolor também fazem parte dessa fase.

Na terceira semana, os exercícios próprios do esporte são acrescentados. Além disso, o restante das atividades é aumentado para adquirir potência no músculo.

O período de recuperação para os atletas que sofrem uma distensão grave dos isquiotibiais é de 1 a 3 meses. É muito importante respeitar os sinais mostrados pelo corpo em todas as fases do tratamento. Diante da presença de dor, é aconselhável abandonar o exercício para não agravar a lesão.

Dicas para tratar a distensão dos isquiotibiais

Estas dicas serão muito úteis para o atleta que sofrer esse tipo de distensão:

Tratamento da distensão dos isquiotibiais de grau dois ou moderado

  • Colocar argila vermelha na área da distensão ajuda na circulação de líquidos acumulados.
  • As bandagens impedem que o hematoma se espalhe e são benéficas para o tratamento posterior.
  • O descanso durante os primeiros dias da lesão é essencial para evitar a dor e para que as fibras se aproximem novamente.
  • Na segunda fase de recuperação, é aconselhável aplicar calor no local para ativar a circulação

Finalmente, a distensão muito severa dos isquiotibiais, na qual os músculos ficam desconectados da tíbia ou da pelve, também tem cura. É possível que uma cirurgia seja feita para reconectá-los ao local adequado.

O processo de recuperação pode ser mais lento, mas tem bons resultados caso o aconselhamento profissional seja seguido.