Exame genético nutricional: a favor ou contra?

12 de abril de 2019
Um exame genético nutricional nos fornece as informações necessárias para perder o dobro do peso na metade do tempo, bem como para prevenir doenças a longo prazo

O exame genético nutricional é a melhor opção disponível hoje para poder descobrir como nosso corpo tolera as dietas. Dessa forma podemos adaptá-las para poder perder ou ganhar peso e prevenir possíveis doenças relacionadas à alimentação.

Sem dúvida um fato que merece destaque é que 70% do excesso de peso tem a ver com nossas bases genéticas. Elas também são responsáveis ​​por doenças cardiovasculares, hipertensão, colesterol, diabetes… E certamente influencia no nosso peso.

O exame começa com a extração do DNA e é um processo indolor para o paciente. Para realizar este processo, é obrigatório ter a avaliação de um especialista, já que um exame clínico é necessário. O resultado influenciará diretamente nos alimentos consumidos na vida diária.

Logo, não se trata de uma solução milagrosa. Mas sim de um método científico, comprovado e eficaz, com resultados surpreendentes e muito positivos. Isso porque a saúde e o físico melhoram quando sabemos porque nosso corpo reage de uma certa maneira a uma determinada alimentação.

Como funciona o exame?

Antes de tudo, o DNA do paciente é analisado em busca de certos genes que podem ou não aparecer em seu mapeamento genético. Dependendo da sua presença, será necessário agir de uma forma ou de outra. Estes são os genes que devem ser detectados:

  • Polimorfismo INSIG2: Os portadores desta variante têm maior predisposição à obesidade e apresentam um aumento significativo do índice de massa corporal (IMC).
  • Polimorfismo NMC4R: Os portadores não resistem à tentação de ingerir alimentos calóricos e correm um alto risco de obesidade.
Sobrepeso ou obesidade

  • Polimorfismo ADRB2: Os portadores têm uma alteração no metabolismo que impede -ou dificulta muito- a eliminação de gorduras acumuladas; de modo que o exercício não vai ajudar a perder peso.
  • Polimorfismo de APOAV: Portadores que já estão com sobrepeso ou obesos têm um alto risco de doença cardiovascular. No entanto, eles respondem bem a dietas com baixo teor de gordura e exercício, e podem perder peso muito rapidamente seguindo orientações nutricionais muito simples.
  • Polimorfismo GNB3: Os portadores têm um alto risco de obesidade, hipertensão e hipercolesteromia. Além disso, eles toleram muito mal as dietas de baixa caloria e geralmente estão sempre com fome.
  • Polimorfismo de FTO: Os portadores têm uma tendência muito grande a comer em excesso, especialmente alimentos muito calóricos; além disso, têm 70% de chance de desenvolver obesidade. Eles também apresentam um alto risco de sofrer de diabetes.

Argumentos a favor do exame genético nutricional

Por um lado, as pessoas que defendem que o exame genético funciona e é eficaz baseiam-se nos seguintes parâmetros:

  • Em primeiro lugar, se você seguir o exame corretamente, diminui o risco de desenvolver problemas de saúde aos quais você está geneticamente predisposto.
  • Como consequência, ele ajuda a encontrar a dieta mais saudável para você. Além de ser eficaz e fácil de seguir, te ensina a identificar os alimentos que melhor se adaptam a você e a substituí-los se não estiverem disponíveis.
  • Do mesmo modo, permite que você adquira hábitos de vida mais apropriados para o seu perfil genético.
Argumentos a favor do exame genético

Argumentos contra o exame genético nutricional

De acordo com um estudo conduzido pela Universidade de Stanford, no qual mais de oito milhões de dólares foram gastos, é impossível combinar o genótipo de pessoas com as dietas.

Nesse sentido, o referido estudo distribuiu aleatoriamente dietas saudáveis​​, baixas em carboidratos ou gorduras, para 609 adultos que tinham excesso de peso. Eles receberam 22 horas de treinamento.

Após a dieta, analisou-se o perfil genético dos participantes. Eles perderam peso pela proibição de comer gordura ou açúcar, mas não havia nenhuma evidência científica que ligasse seu genoma à uma dieta específica.

Como conclusão do estudo, constatou-se que se uma pessoa segue uma dieta adequada corretamente, sua perda de peso será a mesma independentemente do seu perfil genético.