Aprenda a diferenciar entre consumo preferencial e data de validade

15 de março de 2019
Além do preço ou da marca, algo que observamos - na maioria dos casos e quando não estamos com pressa - é quando um produto que estamos prestes a comprar expira.

Não saber a diferença entre consumo preferencial e data de validade é um dos erros mais frequentes. Estamos acostumados a confiar na primeira data que vemos na embalagem dos produtos.

A verdade é que, muitas vezes, podemos continuar a consumir esses alimentos após esse limite de tempo definido pelo rótulo como uma data de garantia de que as condições dos alimentos são ideais.

Seja na hora que estamos no mercado ou, tendo um produto já em casa, se estiver guardado no armário há muito tempo, costumamos observar essa informação para não ter uma surpresa desagradável. Agora, qual é a diferença entre consumo preferencial e data de validade?

A vida útil de um alimento

Os consumidores normalmente não fazem distinções entre o consumo preferencial e a data de validade por acreditarem ser a mesma coisa. Por essa razão, descartam um alimento quando ele já passou da data indicada na embalagem.

A confusão entre ambos os termos está na legenda dos rótulos, já que em muitos casos ela não é bem explicada. Pode dizer uma data completa (dia, mês, ano) ou parcial (mês e ano ou apenas ano), mas isso não significa que a partir desse momento o produto está em más condições e causará problemas para a nossa saúde.

consumo preferencial e data de validade

Em caso de dúvida, descartamos o produto e compramos outro. Isto, sem dúvida, tem muitas consequências para a nossa economia, mas também para o meio ambiente. Claro, os fabricantes ficam felizes por terem mais vendas.

Mas esse não é o único problema: a falta de gestão ou planejamento no armazenamento dos alimentos gera um desperdício de milhões de toneladas de alimentos a cada ano. Há coisas que acabam na lixeira quando ainda podem ser consumidas.

A administração correta dos alimentos ou produtos que temos em casa é fundamental, assim como o lugar que escolhemos para armazená-los. Recomenda-se, por exemplo, que sejam organizados por tamanho, de modo que fiquem todos à vista em local fresco, seco e com ventilação adequada.

Na despensa, podemos colocar juntos os produtos com uma data mais distante e em um local preferencial os que vencem antes.

Mas qual é a diferença entre consumo preferencial e data de validade?

Independentemente de quão organizados sejamos na cozinha, despensa ou geladeira, a verdade é que devemos saber como diferenciar esta informação incluída nos pacotes e rótulos:

1. Data de validade

Isso significa que a partir desse dia o produto não deve ser consumido. No entanto, isso não significa que, se passarem um ou dois dias, o alimento estará em más condições ou podre, mas a cada dia que passa, aumenta o risco de intoxicação.

O prazo de validade é específico para certos alimentos como, por exemplo, os pasteurizados (leite, creme, iogurte), as carnes ou os embalados a vácuo. A data de validade é indicada especificamente e é bom não ignorá-la se não quisermos sofrer um problema de estômago.

Barriga lisa

2. Consumo preferencial

Neste caso, significa que recomenda-se usar antes da data indicada (certamente dirá mês e ano ou só ano). Após esse período, a qualidade diminuirá, mas isso não causará problemas à nossa saúde.

A legenda do consumo preferencial é utilizada em alimentos desidratados ou com baixo teor de água (cereais, legumes, óleos), esterilizados (caixas de leite, latas, conservas) e ovos.

Pode-se dizer então que, a partir desse momento, a cada dia ou semana que passa, teremos um produto com menos sabor, consistência ou propriedades.

É muito importante, além de diferenciar entre consumo preferencial e data de validade, que o produto ofereça informação da data de fabricação. Se você já abriu o produto, também pode ser que o prazo não seja cumprido, porque as condições de conservação serão alteradas.