Fazer exercícios pode aumentar as defesas do corpo?

21 de março de 2020
Com a quarentena imposta em vários países, muitos se perguntam se os exercícios podem aumentar as defesas. Neste artigo, tentamos responder que tipo de exercício pode ser benéfico para o sistema imunológico.

A pandemia de coronavírus modificou nossa vida cotidiana e despertou dúvidas que talvez não tivéssemos antes. Uma delas é se os exercícios ajudam a aumentar as defesas. A questão surge em decorrência do confinamento que devemos cumprir e por estarmos enfrentando uma infecção.

O COVID-19 é a doença causada pelo coronavírus que iniciou umapandemia na cidade chinesa de Wuhan e depois se espalhou pelo mundo. Alguns estados declararam quarentena obrigatória e outros têm restrições de circulação.

A recomendação para toda a população mundial é ficar em casa. O objetivo é diminuir a circulação de pessoas para assim diminuir a transmissão do vírus. Dessa maneira, ganha-se tempo para que os sistemas de saúde tenham capacidade de resposta e não entrem em colapso.

Por tudo isso, apareceram várias dicas na internet sobre coisas que podemos fazer para aumentar as defesas. Uma das recomendações é realizar atividade física dentro de casa.

Neste artigo, exploraremos as teorias que apoiam sua utilidade e também tentaremos decifrar se todos os tipos de exercício são realmente eficazes para ajudar o sistema imunológico. Vejamos primeiro as teorias.

Exercício para aumentar as defesas: teorias

Não está totalmente clara a ação do esporte no sistema imunológico. Embora podemos pensar imediatamente que é um fator protetor, nem sempre é tão óbvio.

Existem efeitos benéficos do exercício quando mantemos a atividade regularmente e com intensidade moderada, mas esse nem sempre é o caso. E, embora haja casos em que o exercício possa aumentar as defesas, também é essencial conhecer os detalhes para fazê-lo adequadamente.

Exercício para aumentar as defesas: teorias

Uma das teorias é que o esporte favorece a circulação dos glóbulos brancos. Ao aumentar seu movimento no corpo, eles podem alcançar mais rapidamente os locais afetados para defender o organismo como um todo.

Outra teoria aponta para a mudança na temperatura corporal. O exercício provoca mudanças imediatas que aumentam a temperatura do corpo devido à geração de calor e ao excesso de energia que se dissipa. Isso seria equivalente à ação da febre quando somos infectados.

Finalmente, a terceira teoria postula que o benefício vem da redução do estresse. A prática de exercícios diminui a secreção de hormônios relacionados ao estresse, o que pode favorecer a função do sistema imunológico.

Como veremos mais adiante, essa teoria explicaria porque o exercício intenso seria contraproducente para as defesas.

O que acontece com as defesas em cada tipo de exercício?

Existem duas formas de fazer exercício: moderada ou intensamente. O exercício moderado envolve uma atividade com duração de 30 a 40 minutos, em dias intercalados. O intenso é um treino esportivo, prolongado e com poucas pausas.

Os exercícios moderados trazem um maior benefício para as defesas. Os estímulos que praticar exercícios moderados produz no corpo resultam em uma resposta imune que seria uma compensação pelo gasto produzido pelo exercício. Se mantido ao longo do tempo, o sistema imunológico fica cada vez mais resistente.

Com os exercícios de alta intensidade, a situação é inversa. Esse tipo de atividade é estressante, mesmo que a pessoa goste. O estresse, nesse caso, vem do esforço ao qual submetemos o corpo com o treino.

O resultado final será uma queda das defesas. A teoria por trás disso é que os glóbulos brancos migram massivamente para o tecido muscular para reparar a fadiga, em vez de tratar as infecções.

O que acontece com as defesas em cada tipo de exercício?

Como o exercício pode ajudar a aumentar as defesas?

Se nos referirmos a esse momento específico, com a pandemia do coronavírus que nos obriga a ficar em casa, podemos optar por exercícios moderados. Eles não gerarão uma resposta imune imediata ao COVID-19, mas nos ajudarão a passar a quarentena.

Juntamente com o exercício, devemos regular a alimentação para favorecer o sistema imunológico. Manter uma dieta equilibrada apesar do confinamento é essencial. O mesmo acontece com o descanso, que devemos tentar manter em horários semelhantes aos da rotina habitual.

Conclusão

Por fim, praticar exercício não gerará uma melhor imunidade imediatamente para essa pandemia, mas a atividade física ajudará a acalmar nossa mente e a nos mantermos ocupados por um momento do dia. Além disso, pode nos estimular a continuar praticando esportes quando a quarentena terminar.