Benfica e Porto: os primeiros passos das estrelas do futebol

22 de abril de 2020
As principais referências do futebol português têm algo em comum: ambos forneceram estrelas para os times mais poderosos da Europa. Em que consiste esse plano de transferências?

Os dois maiores clubes de Portugal se caracterizam pela sua capacidade de detectar talentos. E não apenas localmente, como também em outros continentes. No artigo a seguir, veremos como o Benfica e o Porto conseguem ganhar milhões vendendo jogadores formados para os gigantes da Europa.

Existem muitos casos de jogadores portugueses, sul-americanos, norte-americanos e africanos que chegam aos grandes clubes de futebol da Europa depois de passar por um dos times lusitanos.

Isso ocorre porque o Benfica e o Porto, incapazes de competir financeiramente com os elencos espanhóis ou ingleses, dedicam-se a detectar jovens promessas.

Benfica e Porto: a plataforma para ter sucesso na Europa

No futebol, existem clubes exportadores, que são principalmente americanos, asiáticos e africanos, e importadores, quase todos europeus, com o recente aparecimento também dos mercados de futebol americano e chinês.

Benfica e Porto, poderíamos dizer, constituem um ponto intermediário entre essas duas posições. Durante anos, eles importaram jogadores do continente americano, geralmente por valores inferiores a 10 ou 15 milhões de euros, para permitir a sua adaptação ao futebol e a uma vida diferente na Europa.

Uma vez que os jogadores se acostumam e começam a brilhar, eles chamam a atenção das equipes mais poderosasE é nesse momento que a faceta exportadora dos clubes portugueses entra em ação.

Dessa forma, jogadores que decidem se aventurar no futebol europeu para ter sucesso nas ligas mais competitivas escolhem o Benfica e o Porto como a sua primeira experiência. Trata-se de uma combinação de fatores que permitem que essa estratégia não seja apenas viável para todas as partes, mas também muito conveniente.

Por que Benfica e Porto?

Em primeiro lugar, vale a pena esclarecer que, embora não possuam o poder econômico de um Real Madrid, Manchester City ou Paris Saint Germain, os dois elencos portugueses têm mais recursos do que a maioria dos sul-americanos. 

Portanto, eles podem fazer investimentos para contratar nomes de times argentinos ou brasileiros sem problemas.

Benfica e Porto: primeiros passos das estrelas do futebol

Além disso, a liga portuguesa  de futebol – denominada Primeira Liga – oferece um nível competitivo muito bom, além de ser uma vitrine ideal para as grandes equipes do continente.

Por último, mas não menos importante, não se pode ignorar que tanto Porto quanto Lisboa são cidades muito bonitas e boas para se viver. A língua, uma questão que não é menos importante, também não representa um obstáculo para os jogadores latinos.

A estratégia de Benfica e Porto

Como quase todos os planos, a tática dos clubes portugueses parece muito boa para algumas pessoas e errada para outras. Alguns afirmam que as suas campanhas em competições internacionais não refletem os benefícios econômicos obtidos.

Por outro lado, há quem argumente que, em um contexto no qual competir com os magnatas que administram os principais clubes da Europa é quase inviável, optar pelo crescimento institucional é a melhor saída possível.

Além disso, diz-se que isso também ajuda o crescimento da liga nacional, apesar do Porto e do Benfica terem dividido o título nos últimos 16 anos. Apenas o Sporting de Lisboa conseguiu quebrar essa hegemonia, mas há muito tempo.

Em resumo, tudo depende do prisma a partir do qual cada caso é analisado. Embora do ponto de vista esportivo as coisas poderiam ser melhores internacionalmente, o cenário é realmente complicado até mesmo para clubes mais poderosos, tais como Chelsea, Arsenal, AC Milan, Inter e até mesmo o Bayern de Munique.

Casos exemplares

Pepe, Radamel Falcao García, James Rodríguez e até mesmo Mourinho começaram as suas bem-sucedidas trajetórias europeias no Porto. O mais impressionante é que tanto Falcao quanto James foram vendidos por cifras que multiplicaram várias vezes o que havia sido pago por eles.

Benfica e Porto: primeiros passos das estrelas do futebol

No entanto, o Benfica não fica muito atrás quando se trata de transações bem-sucedidas. Ángel Di María, Ramires, Nemanja Matic e João Félix – recentemente vendido ao Atlético de Madrid por 126 milhões de euros – são alguns casos exemplares de investimento.

Em suma, tanto o Benfica quanto o Porto conseguiram implementar um plano de crescimento baseado na formação de estrelas em potencial. 

Embora os resultados nem sempre sejam refletidos em campo, fica claro que ambas as instituições mostram um crescimento contínuo, além de oferecer excelentes jogadores aos grandes clubes do continente.

  • Vargas, A. 2017. Maestros del mercado | Las 15 mejores ventas que ha hecho el Porto. 90 Min. https://www.90min.com/es/posts/5159092-maestros-del-mercado-las-15-mejores-ventas-que-ha-hecho-el-porto
  • El juvenil Di María se va al Benfica. 2007 (Archivo). Clarín. https://www.clarin.com/deportes/juvenil-di-maria-va-benfica_0_HkqMLNxkAFl.html
  • El Oporto cierra el traspaso de Falcao. 2009. Marca. https://www.marca.com/2009/07/15/futbol/futbol_internacional/1247650142.html
  • Rayo, J. 2016. Los 10 jugadores más caros que ha vendido el Benfica en su historia. 90 Min. https://www.90min.com/es/posts/3205604-los-10-jugadores-mas-caros-que-ha-vendido-el-benfica-en-su-historia/2-axel-witsel-50-millones