Você conhece a dieta de proteção gástrica?

30 de setembro de 2019
Quem nunca recebeu a recomendação de uma dieta macia em algum momento? Continue lendo para descobrir em que consiste.

Uma dieta de proteção gástrica é comumente conhecida como dieta macia. No entanto, esse termo não se refere à consistência dos alimentos, uma vez que não é uma ‘dieta mole’ ou uma ‘dieta fácil de mastigar’. De fato, essa dieta pode incluir alimentos como as torradas, por exemplo, que não são exatamente macias.

Indicações para a dieta de proteção gástrica

Estamos falando de uma dieta terapêutica, indicada em situações nas quais é necessário que o sistema digestivo trabalhe o mínimo possível, seja por causa de uma doença ou para que ele se recupere.

Algumas das doenças para as quais ela pode ser útil são: pacientes com hérnia de hiato, úlcera gástrica ou duodenal e, às vezes, pacientes com pancreatite crônica.

Também pode ser utilizada como parte da progressão alimentar, desde o início da tolerância digestiva até atingir uma dieta completa, após o término da fase aguda da doença.

Quais são os alimentos incluídos na dieta de proteção gástrica?

A dieta inclui a ingestão dos seguintes alimentos:

  • Cereais e amidos: serão consumidos cereais refinados para limitar ao máximo o consumo de fibra alimentar. Também serão incluídas batatas cozidas.
  • Carne e peixe: recomenda-se que a carne e o peixe consumidos sejam brancos e que a carne vermelha, os embutidos e os peixes azuis não sejam incluídos na dieta.
  • Ovos: é importante considerar a tolerância individual. É possível primeiramente introduzir a clara e, posteriormente, a gema. É possível consumir ovos cozidos, poché ou como omelete.
Dieta de proteção gástrica

  • Laticínios: fermentados como o iogurte natural, a ricota e os queijos frescos são mais bem tolerados do que o leite. O seu consumo dependerá da tolerância individual. Os queijos curados serão evitados e, embora geralmente sejam incluídos nas listas oficiais, laticínios como pudim ou flan podem ser dispensados, por causa do seu alto teor de açúcar.
  • Legumes: é necessário evitar as crucíferas, tais como couve-flor ou brócolis, os vegetais crus e o tomate. Os outros vegetais estão incluídos, desde que estejam cozidos ou triturados. Caldos também são uma boa opção.
  • Frutas: são permitidas frutas maduras que não sejam cítricas, em compota ou cozidas, bem como as bananas.
  • Leguminosas: não serão consumidas inteiras, mas podem ser consumidas em pequenas quantidades, trituradas e coadas, para evitar a casca.
  • Gorduras: pequenas quantidades de azeite de oliva, abacate e manteiga geralmente são toleradas.
  • Outros: chocolate e doces, molhos, salgadinhos, condimentos, picles, vinagre, produtos muito açucarados e tabaco serão evitados.
  • Especiarias: recomenda-se o uso de louro, canela, ervas aromáticas e salsinha. Por outro lado, o uso de pimenta, alho, pimentão e tabasco é desaconselhável.

Exemplo de cardápio

Para o café da manhã, é possível optar por chá preto ou de camomila, maçã e torrada de pão branco com compota. Uma boa estratégia para melhorar a qualidade do café da manhã é substituir a geleia pela compota.

Enquanto isso, para o almoço, é possível consumir, como refeição principal, purê de abobrinha, carne de peru grelhada com batatas no vapor e iogurte natural. Posteriormente, no lanche, é possível incluir queijo fresco com geleia.

Finalmente, para o jantar, uma boa alternativa é consumir sopa com macarrão, omelete, pão e pera cozida. Também é possível adicionar outro iogurte natural para terminar o dia.

proteção gástrica

Adaptações da proteção gástrica à dieta vegetariana

Para as pessoas que seguem uma dieta sem carnes, as leguminosas melhor toleradas são as ervilhas, bem cozidas ou em forma de purê. No entanto, assim como todas as outras leguminosas, elas devem ser consumidas em quantidades moderadas.

Por outro lado, o tofu branco geralmente é bem tolerado, desde que não seja temperado. O seitan também é uma boa opção, enquanto as bebidas vegetais que geralmente são melhor toleradas são as de arroz, amêndoas e aveia.

Recomendações dietéticas gerais

Para evitar chegar ao ponto de precisar recorrer a uma dieta de proteção gástrica, o melhor a fazer é seguir essas dicas diariamente:

  • Evitar refeições grandes. Uma boa estratégia é dividir a dieta, fazendo de 5 a 6 pequenas refeições.
  • Comer devagar, mastigando bem e em um ambiente tranquilo.
  • Descansar sentado após as refeições principais, durante aproximadamente trinta minutos.
  • Separar a ingestão de água das refeições principais e evitar sucos de laranja e refrigerantes.
  • Usar técnicas culinárias simples: cozido, na própria água, grelhado, a vapor ou no forno. Evitar cozinhar com a adição de gorduras ou óleos, como ocorre com ensopados, frituras e empanados.

Por fim, também são importantes recomendações como usar sal e temperos de forma moderada e evitar alimentos estimulantes, tais como café ou álcool e aqueles que não são bem tolerados individualmente. Com essas indicações, a necessidade de recorrer a uma dieta de proteção gástrica certamente será menos frequente.

  • Salas-Salvadó J et al., eds. Nutrición y dietética clínica. Elsevier Health Sciences, 2019