Uma dieta rica em gorduras pode alterar a microbiota intestinal

24 de abril de 2020
Você conhece a importância da microbiota intestinal para a saúde? Sabe como o que comemos afeta essas bactérias? Descubra a seguir!

A microbiota intestinal é o conjunto de bactérias que habita o intestino. Elas têm funções muito importantes para a vida saudável. Primeiro, a microbiota intestinal é uma das primeiras barreiras do sistema imunológico. Além disso, é responsável pela assimilação de muitos nutrientes e pela síntese de certas vitaminas.

É composta por 100 bilhões de bactérias e conta com uma diversidade entre 500 e 1000 espécies diferentes. O intestino humano nasce estéril e se coloniza gradualmente através dos alimentos e do meio ambiente.

Uma microbiota alterada ou diminuída — disbiose — pode levar a déficits na absorção de ferro e cálcio ou ao desenvolvimento de certas doenças. De fato, nos últimos anos, a diversidade bacteriana tem sido associada à proteção contra certos tipos de doenças complexas e pode até influenciar os ganhos musculares.

Influência da dieta na microbiota intestinal

Segundo estudos, o que comemos influencia muito a estrutura e a composição da microbiota. Uma dieta rica em fibras e pobre em gordura aumenta a população do gênero Prevotella, que são bactérias adaptadas para recuperar energia e nutrientes de alimentos ricos em fibras vegetais.

Enquanto isso, uma dieta rica em alimentos e gorduras proteicas aumenta a população do gênero Bacteroides. A ingestão regular de fibras aumenta as populações de espécies fermentativas, resultando em maior produção de ácidos graxos de cadeia curta e na prevenção de doenças graves.

Além disso, as fibras alimentares têm efeitos antioxidantes que protegem o intestino. No entanto, o excesso de proteínas pode gerar metabólitos que prejudicam o organismo. Por sua vez, o jejum prolongado também pode afetar as populações bacterianas.

A microbiota desempenha funções muito importantes no corpo humano.

Como melhorar a qualidade da microbiota intestinal

Um bom método para garantir a diversidade da microbiota intestinal é adicionar à dieta um consumo regular de probióticos e prebióticos.

O primeiro grupo é composto de micro-organismos vivos que permanecem ativos no intestino em quantidade suficiente para alterar a microbiota do hospedeiro. Eles são encontrados em alimentos como o iogurte.

Por sua vez, os prebióticos são substâncias que estimulam o crescimento de probióticos e outras bactérias encontradas no corpo. Um exemplo seria a fibra dietética ou inulina.

Dieta rica em gordura e a microbiota intestinal

Uma dieta rica em gorduras diminui o número de bacteroidetes e aumenta o número de firmicutes e proteobactérias. Essa modificação da flora bacteriana resulta em um aumento nos níveis de glicose e insulina no sangue em jejum. Além disso, pode ocorrer um aumento no peso corporal, na massa magra e hepática.

Por outro lado, o número de citocinas pró-inflamatórias aumenta tanto no plasma quanto nos tecidos adiposo, hepático e muscular. Dessa forma, uma dieta rica em gorduras pode aumentar o estado de inflamação e resistência à insulina.

No entanto, a ingestão diária de um prebiótico protege contra alterações da permeabilidade intestinal e diminui marcadores de estresse oxidativo e inflamação.

Uma dieta rica em gordura e pobre em carboidratos é perigosa?

Como o alto teor de gordura e a baixa ingestão de fibras podem alterar a flora, não é descabido pensar que dietas com alto teor de gordura sejam prejudiciais ao organismo. Mas isso não precisa ser sempre assim.

Uma dieta rica em gorduras poli e monoinsaturadas com uma ingestão correta de fibra alimentar e até suplementação de pró e prebióticos garante a saúde correta da microbiota.

A fibra alimentar evitará alterações nas espécies bacterianas resultantes do aumento da ingestão de gordura e reduzirá o estado de inflamação. Portanto, a produção de ácidos graxos e vitaminas de cadeia curta permanecerá intacta, o que servirá como fator preventivo para o desenvolvimento de doenças.

A fibra pode ajudar a manter a saúde da microbiota intestinal.

Conclusão

A microbiota intestinal influencia diretamente a saúde e a prevenção de doenças. É crucial garantir a diversidade de bactérias e a inclusão de fibras e probióticos na dieta.

Dessa forma, será garantida a presença de cepas fermentativas que produzem as vitaminas necessárias para o corpo e que contribuem para o funcionamento do sistema imunológico.

Todos os dias são descobertas novas funções da microbiota e mais implicações dela em muitos processos fisiológicos relacionados à saúde. De fato, já existem ramos da medicina dedicados exclusivamente ao estudo desses fenômenos.

Com tudo isso, é provável que no futuro a nutrição esteja intimamente relacionada ao tipo de bactérias que estão presentes em nosso corpo.

  • Álvarez-Calatayud G., Guamer F., Requena T., Ascensión M., Dieta y microbiota. Impacto en la salud. Nutr Hosp, 2018. 35 (6) : 11-15.
  • Morales P., Brignardello J., Gotteland M., La microbiota intestinal: un nuevo actor en el desarrollo de la obesidad. Rev Med Chile, 2010. 138: 1020-1027.