Riscos hormonais para a saúde do atleta

1 de março de 2020
A atividade física produz alterações nos nosso corpo, mas em alguns casos pode haver riscos hormonais que afetam a saúde, principalmente relacionados ao abuso de substâncias.

A prática habitual de esportes é benéfica para a saúde. Não apenas nos faz parecer esteticamente melhores quando nos olhamos no espelho, mas também há um grande número de modificações e adaptações internas no nosso corpo. Mas existem riscos hormonais relacionados ao esporte?

O sistema hormonal regula a secreção endócrina de todo o corpo. Em certas ocasiões, podemos encontrar alterações que envolvem riscos hormonais que podem afetar a saúde do atleta. Vamos descrevê-las abaixo.

Quando falamos de riscos hormonais, nos referimos a situações que podem potencialmente afetar a atividade do atleta. O exercício causa alterações hormonais em vários níveis, todos benéficos, como discutimos em outros artigos.

O risco real à saúde geralmente vem do abuso de hormônios artificiais que melhoram o desempenho atlético. Essas substâncias estão se tornando mais frequentes em certos esportes, como a musculação ou o ciclismo.

Riscos hormonais naturais

Como dissemos, dificilmente existem efeitos colaterais negativos em termos de alterações hormonais sem ingestão de substâncias exógenas. O exercício físico contribui para a regulação de vários eixos hormonais, como o eixo insulina-glucagon, o eixo dos hormônios sexuais ou o cortisol.

Riscos hormonais naturais

No entanto, realizar práticas esportivas intensas de forma repetitiva pode aumentar a secreção da testosterona e o hormônio do crescimento, o que poderia acelerar – em pacientes geneticamente predispostos – o processo de alopecia.

Nas mulheres, o aumento desses hormônios pode causar alterações no ciclo menstrual e amenorreia – falta da menstruação.

Riscos hormonais artificiais

Qualquer substância ingerida com o objetivo de melhorar o desempenho esportivo pode ser considerada doping. A grande maioria dessas substâncias causará efeitos nocivos ao organismo. Alguns podem alterar os eixos hormonais. Entre essas substâncias, destacam-se os esteroides anabolizantes.

Esteroides anabolizantes

Entre os mais utilizados estão os derivados da testosterona. Eles são esteroides que geralmente são usados ​​em disciplinas como a musculação, embora ultimamente também sejam muito usados ​​em esportes de contato, como artes marciais mistas.

Esses compostos derivados da testosterona imitam a ação desse hormônio nas células do corpo. No entanto, os eixos hormonais têm uma peculiaridade: são autorregulados por retroinibição, ou seja, um aumento na concentração da testosterona causa uma diminuição em sua síntese.

O local onde a testosterona é sintetizada são os testículos nos homens e a medula adrenal em ambos os sexos. Por esse motivo, os esteroides anabolizantes podem acabar produzindo insuficiência testicular, esterilidade, feminização, entre muitos outros efeitos adversos.

Eles também podem levar à insuficiência adrenal, embora seja menos comum que isso ocorra a curto prazo. No entanto, se houver uma alteração na função adrenal, podemos encontrar alterações na regulação do cortisol, catecolaminas e aldosterona. Tudo isso pode levar a problemas nos rins, fígado e coração.

Insulina e hormônio do crescimento

Nos últimos anos, uma técnica muito perigosa surgiu entre os praticantes de esportes de força e musculação: combinar a insulina e o hormônio do crescimento. Essa união hormonal melhora muito os ganhos de massa muscular magra sem gordura.

Insulina e hormônio do crescimento

No entanto, pode ter efeitos catastróficos a nível cardiovascular. A administração exógena de insulina pode levar, tanto em indivíduos predispostos quanto saudáveis, ao desenvolvimento de diabetes tipo II. Isso, juntamente com o efeito negativo que ela tem sobre o colesterol, aumenta o risco de doença cardíaca coronária.

Agonistas adrenérgicos beta 2

Os agonistas adrenérgicos beta são medicamentos amplamente utilizados para as doenças respiratórias, como a asma brônquica, uma vez que os brônquios possuem esses tipos de receptores e a sua ativação causa dilatação das vias aéreas. Um exemplo é o salbutamol, vulgarmente conhecido como ventolin.

Outro medicamento conhecido que é usado com muita frequência no ciclismo é o clenbuterol. Este, além de melhorar a capacidade respiratória, estimula a queima de gordura.

O abuso dessas substâncias em altas doses produz inúmeros efeitos adversos, como palpitações, nervosismo ou taquicardia.

Finalmente, a dessensibilização dos receptores também pode ocorrer, isto é, eles param de responder à substância, o que pode ser fatal para uma pessoa asmática ou com problemas cardíacos.

  • Evans, N. A. (1997). Gym and tonic: a profile of 100 male steroid users. British Journal of Sports Medicine, 31(1), 54–58. https://doi.org/10.1136/bjsm.31.1.54
  • Schaive, C., & Kohler, T. S. (2016). An inside perspective on anabolic steroid abuse. Translational Andrology and Urology, 5(2), 220–224. https://doi.org/10.21037/tau.2016.03.08
  • Alshammari, S. A., AlShowair, M. A., & AlRuhaim, A. (2017). Use of hormones and nutritional supplements among gyms’ attendees in Riyadh. Journal of Family & Community Medicine, 24(1), 6–12. https://doi.org/10.4103/2230-8229.197175