Frio e calor: mecanismos e aplicações na fisioterapia

2 de dezembro de 2019
Qual é o mecanismo de ação do frio e do calor? Quando é mais interessante aplicar um ou o outro?

A aplicação de frio ou de calor em uma área lesionada ou simplesmente fatigada após o exercício é algo essencial para a fisioterapia. Os seus benefícios podem ser aproveitados por todos os tipos de pacientes ou atletas diariamente. Vejamos quais são os seus mecanismos de ação e os casos de maior utilidade para cada um.

Mecanismos de ação do frio

Como seria de se esperar, os efeitos benéficos do frio que podemos obter ocorrem graças à diminuição da temperatura local que ele produz. Essa queda de temperatura induzirá uma vasoconstrição e, portanto, uma diminuição na quantidade de sangue na área.

Além disso, na presença do frio, a velocidade do metabolismo diminui, bem como a ação dos nervos sensoriais.

Em outros elementos do sistema nervoso ele pode ter outros efeitos, tais como um aumento na sensibilidade na área, e dependendo de ser aplicado sobre músculos superficiais ou profundos, ele pode aumentar ou diminuir a velocidade de contração.

Também devemos ter em mente que há um efeito rebote quando paramos de aplicar o frio. Ou seja, o corpo compensará aumentando o fluxo sanguíneo para uma área resfriada quando o estímulo cessar, para evitar danos aos tecidos e, novamente, para garantir que uma quantidade adequada de sangue chegue à área.

Como o calor funciona no corpo

O principal efeito do calor será, ao contrário, a vasodilatação. Causar um aumento de temperatura leva a um aumento no suprimento de sangue para a área de aplicação e, por consequência, de todos os elementos sanguíneos que ajudam a reparar um tecido lesionado. Além disso, a vasodilatação também reduz a pressão arterial.

Da mesma forma, o calor prolongado também causará um relaxamento na área de aplicação, com efeitos antiespasmódicos e uma diminuição na sensibilidade por causa do relaxamento.

Por fim, deve-se ter em mente que, dependendo da duração das sessões e da temperatura atingida, a frequência cardíaca também aumentará para que mais sangue alcance a área de aplicação. Em casos extremos, isso pode produzir taquicardias. Portanto, as pessoas com problemas cardíacos devem ter cuidados especiais.

Frio ou calor: mecanismos e aplicações

O que é melhor para a fisioterapia, frio ou calor?

Considerando o exposto, quando será mais benéfica a aplicação de um tratamento ou de outro? Como regra geral da fisioterapia, usaremos o frio em processos agudos e o calor em processos crônicos.

Ou seja, se acabamos de sofrer uma lesão, a aplicação do frio conterá o aumento do fluxo de sangue e ajudará a manter uma reação corporal proporcional. Além disso, também reduzirá o edema causado pela ruptura do tecido e nos ajudará a tolerar melhor a dor.

Por outro lado, se acabamos de terminar uma sessão intensa de exercícios, a aplicação de frio nos músculos com os quais mais trabalhamos também ajudará a evitar efeitos colaterais e a limitar os danos causados ​​aos músculos.

Em vez disso, o calor será o nosso grande aliado em processos de maior duração. A partir de 24 horas após o aparecimento de uma dor muscular, já seria conveniente aplicar calor local.

Como vimos, uma vez que a inflamação inicial for controlada, o aumento no volume de circulação contribuirá com uma maior quantidade de elementos sanguíneos que ajudarão o tecido a se recuperar. Além disso, o seu efeito antiespasmódico faz com que ele seja vital para o tratamento de contraturas musculares ou tensão geral acumulada.

Métodos de aplicação

Para o frio, temos os seguintes métodos de aplicação:

  • Cubos de gelo: neste caso, eles devem sempre ser envolvidos com uma toalha, um pano ou material similar, pois não devem entrar em contato direto com a pele.
  • Bolsas térmicas: elas vêm em diferentes formatos, incluindo ‘cold packs‘ que são resfriadas e colocadas na área a ser tratada, ou toalhas e compressas frias.
  • Cremes ou sprays frios: oferecem um efeito rápido e temporário.
  • Criomassagem: consiste em massagear alguns cubos de gelo enrolados em uma toalha sobre a área afetada, em vez de aplicá-los e deixá-los agir.
Frio ou calor: mecanismos e aplicações

Para aplicar calor, algumas das ferramentas usadas são:

  • Almofada térmica: a clássica almofada térmica que temos em casa, que vamos colocar no micro-ondas e aplicar na área.
  • Imersão: submergir a área afetada em um banho de água quente fará com que o calor penetre mais profundamente.
  • Raios infravermelhos: se formos a um fisioterapeuta, o calor provavelmente será aplicado através de raios infravermelhos.
  • Cremes ou sprays: da mesma forma que na aplicação do frio, podemos comprar cremes ou sprays que nos oferecem um efeito imediato.

Finalmente, também temos a alternativa das massagens. Quando alguém faz uma massagem em nós, isso também causa um aumento na temperatura corporal. Quanto maior a pressão da massagem, maior o aumento da temperatura.

  • Effect of heat stress on muscle energy metabolism during exercise. Febbraio M., Snow R., Stathis C., Hargreaves M., Carey M. Journal of Applied Physiology. Volume 77, Issue 6 (1994)
  • Lesiones musculares en el deporte. Jiménez F. Revista Internacional de Ciencias del Deporte. Volumen 2, Número 3 (2006)
  • Lesiones musculares en el mundo del deporte. Cardero M. Revista de Ciencias del Deporte, 4 (1), 13 – 19.  (2008)