É possível praticar esportes após um transplante?

20 de março de 2020
Praticar esportes após um transplante não apenas é possível, mas também recomendado. Além de existirem estudos científicos que apoiam a prática esportiva por parte desses pacientes, surgiram associações de atletas transplantados em vários países do mundo.

A decisão de praticar esportes após um transplante não é fácil. Embora todos entendam que o exercício sempre é bom, ainda há dúvidas quando se trata de alguém que foi submetido a um transplante de um órgão.

Tanto o paciente quanto seus familiares podem se opor à ideia da prática de exercícios, assumindo que ela pode gerar riscos desnecessários. Eles temem pelos traumas que podem ocorrer.

A verdade é que os pacientes transplantados não são necessariamente pessoas com limitações físicas muito diferentes das da maioria da população. Embora dependa do órgão em questão, do estado de saúde da pessoa e do exercício escolhido, vários fatores são os mesmos que influenciam uma pessoa que não passou por um transplante.

Evidentemente, recomenda-se evitar esportes de contato, como o rugby e o futebol. Além disso, é essencial ser aconselhado por um médico e, acima de tudo, escolher uma disciplina que você goste. Você não pode ignorar o componente emocional da prática de exercícios, que é tão importante quanto o físico.

Ao começar a praticar exercício após um transplante, o corpo sente a necessidade de se adaptar à nova rotina. Se você seguir uma progressão com orientação e acompanhamento, pode até considerar participar de torneios e competições.

Por outro lado, em termos médicos, o exercício é um grande fator de proteção contra doenças cardiovasculares e, entre os receptores de transplante, o coração é a principal causa de morte. Supõe-se que um dos problemas que origina essa mortalidade por doenças cardíacas seja, precisamente, o estilo de vida sedentário.

Benefícios de praticar esportes após um transplante

Alguns estudos afirmam que praticar exercícios após um transplante é mais benéfico para aqueles que eram sedentários do que para aqueles que já eram ativos. Esse fato confirma a existência de benefícios.

Benefícios de praticar esportes após um transplante

Como você já sabe, o esporte é um protetor cardiovascular, pois diminui a glicose e o colesterol no sangue. Nos pacientes transplantados que consomem imunossupressores, o exercício diminuiria os efeitos adversos desses medicamentos.

Os pacientes transplantados também são medicados com corticoides em doses relativamente altas. Entre os efeitos adversos dos corticoides está a osteoporose, ou seja, a diminuição da densidade óssea. O esporte fortalece o sistema osteomioarticular.

Da mesma forma, você não pode negligenciar o benefício social de praticar esportes após um transplante. Ao pertencer a um grupo, conhecer outras pessoas e sair de casa, você promove o contato humano, que também é reabilitador, ainda mais se o encontro ocorrer com outros atletas transplantados.

Quando o paciente transplantado deve iniciar a prática de exercícios físicos

Imediatamente após a cirurgia de um transplante, é impossível iniciar a prática de exercícios físicos. Existem adaptações e alterações necessárias que requerem um tempo de espera razoável.

Nem todos os transplantes são iguais, nem a resposta de todos os organismos é idêntica. Em geral, fala-se em seis meses de recuperação, embora isso possa variar. Sempre será um médico que decidirá aumentar ou diminuir essa espera.

Uma vez que o paciente recebe a liberação para praticar esportes, deve iniciar de forma leve, sem se sobrecarregar. Com o passar dos meses, o paciente pode aumentar a quantidade e a frequência dos exercícios.

Tipos de treino para o transplantado

Os esportistas sabem que nem todos os esportes são iguais, e que nem todos os exercícios têm o mesmo objetivo. Existem exercícios para aumentar a força e exercícios para aumentar a resistência. Da mesma forma, existem exercícios aeróbicos e exercícios anaeróbicos.

Para os pacientes transplantados que precisam ficar de repouso por um longo tempo após a cirurgia, é importante realizar treinos de força. Dessa forma, eles podem recuperar a massa muscular e fortalecer o tecido ósseo.

Como há um aumento de peso considerável e constante entre os pacientes transplantados, praticar esportes após um transplante reduziria o peso para um valor coerente com a altura. Isso é possível através dos exercícios aeróbicos e dos treinos de força.

O treino aeróbico é capaz de hipertrofiar as fibras musculares. Quando o músculo aumenta seu diâmetro, melhora a transmissão nervosa em seu interior, e isso ajudaria na sensibilidade. Devemos lembrar que os receptores de transplante são corticosteróides prescritos, e estes são capazes de danificar as terminações nervosas.

Quando o paciente transplantado deve iniciar a prática de exercícios físicos

Finalmente, existem os treinos de resistência. Essa modalidade estimula a oxigenação e reduz substâncias inflamatórias no organismo. Com menos inflamação, o paciente transplantado sente menos dores. Com mais oxigênio, há menos risco de sofrer doenças cardiovasculares.

Praticar esportes após um transplante: conclusão

Praticar esportes após um transplante é recomendável. Cada equipe médica responsável pelo tratamento aconselhará o paciente sobre qual é o melhor exercício e quando ele deve ser iniciado.

Praticar esportes é essencial, e amigos e familiares devem estar envolvidos na decisão. Além do acompanhamento e dos medicamentos, o esporte é outro fator protetor que prolonga a sobrevida desses pacientes.

  • M.T. Tomás, H. Santa-Clara, E. Monteiro, E. Barroso, L.B. Sardinha. Effects of an exercise training program in physical condition after liver transplantation in familial amyloidotic polyneuropathy: A case report. Transplant Proc, 43 (2011), pp. 257-258.
  • Slapak, M. “Sport and transplantation.” Annals of transplantation 10.1 (2005): 60-67.
  • Mathur, S., Janaudis‐Ferreira, T., Wickerson, L., Singer, L. G., Patcai, J., Rozenberg, D., … & High, K. (2014). Meeting report: consensus recommendations for a research agenda in exercise in solid organ transplantation. American Journal of Transplantation, 14(10), 2235-2245.