Os efeitos do esporte sobre os hormônios

29 de janeiro de 2020
Os hormônios são substâncias secretadas por algumas glândulas do nosso corpo. Alguns deles são fundamentais durante a prática esportiva, e todo o sistema hormonal sofre adaptações quando fazemos exercício.

Quando começamos a praticar esportes, focamos especialmente nos benefícios que obtemos em um nível estético e de rendimento. Todos sabemos que o esporte é bom para a saúde. Nesse sentido, é fundamental entender os efeitos do esporte sobre os hormônios.

O que são os hormônios?

Os hormônios são substâncias geralmente proteicas ou lipídicas geradas nas glândulas endócrinas de alguns órgãos do nosso corpo e secretadas na circulação sanguínea. Uma vez na circulação, eles viajam por todo o corpo até o seu “órgão alvo”, no qual eles vão efetuar uma ação concreta.

Ainda que muitos tecidos possam secretar hormônios, há alguns órgãos especializados encarregados especificamente da secreção de certos hormônios:

  • A glândula tireoide secreta tiroxina, que está envolvida nos processos metabólicos. Entre outras funções, ela aumenta o gasto energético, a frequência cardíaca e a tensão arterial.
  • O pâncreas secreta hormônios fundamentais como a insulina ou o glucagon, encarregados da regulação da glicose no sangue.
  • As glândulas suprarrenais produzem hormônios muito importantes como, por exemplo, a aldosterona, o cortisol e as catecolaminas. Eles têm diversas funções, mas, de forma geral, eles nos preparam para situações “perigosas” ou “estressantes” como o exercício e, assim, melhoram o rendimento.
  • As genitálias masculinas e femininas secretam testosterona e estrógeno, respectivamente. A testosterona é relacionada ao ganho de força e massa muscular.
  • Por último, a hipófise coordena todas as demais glândulas, secretando hormônios que vão estimular a síntese dos hormônios anteriores. Ela também produz o hormônio do crescimento, fundamental no rendimento esportivo. Por sua vez, ela é controlada pelo hipotálamo.

O esporte e os hormônios

Para entender os efeitos do esporte sobre os hormônios, devemos compreender que, para o nosso corpo, o esporte é uma situação estressante. Por isso, ele apela para mecanismos que, no passado, nos ajudavam a sobreviver em um ambiente hostil, como, por exemplo, os hormônios da glândula suprarrenal.

Os efeitos do esporte sobre os hormônios

O cortisol é um hormônio que reage diante do estresse súbito e aumenta a eficiência do metabolismo energético, especialmente dos carboidratos. Por isso, durante a prática física intensa, o glicogênio armazenado no fígado e nos músculos é consumido rapidamente.

No entanto, as catecolaminas, cujo principal representante é a adrenalina, têm efeito sobre os receptores adrenérgicos alfa e beta situados em diferentes órgãos do corpo. Elas produzem a vasoconstrição das artérias e das veias, o que aumenta o retorno venoso e a tensão.

Além disso, as catecolaminas aumentam a frequência cardíaca e a capacidade cardiorrespiratória em geral, ao mesmo tempo em que tornam mais eficiente o transporte de nutrientes aos nossos tecidos.

Em resposta ao estresse gerado durante o esporte, a hipófise secreta o hormônio do crescimento, que age por meio de um segundo mensageiro chamado IGF-1, de síntese hepática, e promove o crescimento dos ossos (para aqueles que ainda estão em fase de crescimento) e, sobretudo, a hipertrofia dos músculos.

Efeitos do esporte sobre os hormônios a longo prazo

A prática esportiva habitual vai produzir uma série de adaptações fisiológicas orientadas para a atividade física. Entre as mais importantes estão aquelas que são produzidas sobre o sistema hormonal:

  • A prática esportiva habitual, especialmente quando se trata de esportes de alta performance, aumenta os níveis sanguíneos de testosterona. Isso tem uma consequência espetacular sobre o rendimento esportivo, especialmente na força. Esses níveis aumentam tanto em homens quanto em mulheres, mas isso não deve ser motivo de preocupação, pois eles nunca serão suficientemente altos para produzir a masculinização.
  • A atividade física está relacionada com uma melhor resposta à insulina. Enquanto o sedentarismo pode induzir uma dessensibilização a esse hormônio conhecida como resistência, a prática esportiva habitual tem o efeito contrário. Portanto, ela melhora o metabolismo energético.
Os efeitos do esporte sobre os hormônios

  • Níveis altos de cortisol de forma crônica já foram relacionados com situações de estresse psicológico e obesidade central (a gordura se acumula no abdômen e na bacia). A prática esportiva mantém níveis corretos de cortisol, dessa forma prevenindo essas situações.
  • As situações estressantes como a atividade física são um dos principais estímulos para a síntese e a secreção do hormônio do crescimento. Esse hormônio desempenha um papel essencial no rendimento esportivo, já que aumenta os níveis de massa muscular e diminui o índice de gordura corporal. Igualmente, ele favorece o metabolismo e o uso de gorduras como combustível.

Com tudo isso, pode-se concluir que os benefícios do esporte não se limitam apenas ao âmbito estético, mas também vão muito além disso.

A prática esportiva produz mudanças no metabolismo e no sistema hormonal que serão benéficas para a saúde a longo prazo. A atividade física e o esporte não apenas ajudam a estarmos saudáveis por fora, mas também por dentro.

  • Bowen RS, Turner MJ, Lightfoot JT. Sex hormone effects on physical activity levels: why doesn’t Jane run as much as Dick? Sports Med [Internet]. 2011 Jan 1 [cited 2019 Apr 23];41(1):73–86. Available from: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21142285
  • Kelsey K. Sather. Your Hormones and Athletic Performance [cited 2019 Apr 23]. Available from: https://kelseyksather.com/journal/your-hormones-and-athletic-performance
  • Macintyre JG. Growth Hormone and Athletes. Sport Med [Internet]. 1987 [cited 2019 Apr 23];4(2):129–42. Available from: http://link.springer.com/10.2165/00007256-198704020-00004
  • Wojtys EM, Jannausch ML, Kreinbrink JL, Harlow SD, Sowers MR. Athletic activity and hormone concentrations in high school female athletes. J Athl Train [Internet]. 2015 Feb [cited 2019 Apr 23];50(2):185–92. Available from: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25329345