Esportes terapêuticos para pessoas com deficiência

3 de março de 2020
Atualmente, são conhecidas muitas terapias para melhorar a qualidade de vida das pessoas com deficiência. Os esportes são um elemento que não pode ser ignorado nessas situações.

Todas as pessoas têm direito de alcançar e preservar um estado de bem-estar. No caso das pessoas com deficiência, o mundo deve se adaptar para facilitar qualquer atividade que elas queiram fazer. Nesse contexto, os esportes terapêuticos são uma ótima opção para as pessoas com deficiência.

No espectro esportivo, muitas associações e ministérios de vários países conseguiram facilitar a prática esportiva para as pessoas com necessidades especiais.

Diversos movimentos conseguiram criar um ambiente favorável para a convivência esportiva no que diz respeito ao lazer e à saúde, de uma maneira inquestionável.

Uma vez estabelecidas as bases para o apoio de todos os setores sociais, vamos repassar os grandes benefícios que a atividade esportiva proporciona para as pessoas com necessidades especiais nos planos físico, psíquico e social.

Diferentes tipos de deficiência

As pessoas com um certo nível de deficiência são agrupadas em vários níveis para que haja uma administração adequada de recursos. Dessa forma, é mais fácil fornecer condições ideais em termos de qualidade de vida. Assim, são conhecidos cinco tipos de deficiência:

  • Motora: pessoas com padrões fisicamente limitados.
  • Psíquica: pessoas que têm alterações de comportamento.
  • Sensorial: há algum tipo de deficiência para perceber o ambiente externo ou interno.
  • Visceral: geralmente orgânica, como o diabetes ou problemas cardíacos.
  • Múltipla: é produzida a partir da soma de várias das deficiências explicadas anteriormente.

Vantagens dos esportes terapêuticos para as pessoas com deficiência

Essa metodologia é baseada em reeducar ou melhorar um problema físico ou mental em qualquer tipo de pessoa. Nesses casos, a prática esportiva leva a melhorias fisiológicas e psicológicas inquestionáveis.

Esportes terapêuticos para as pessoas com deficiência

Portanto, para as pessoas com alguma deficiência de maior complexidade, o esporte criará uma série de melhorias. A atividade esportiva nesse contexto pode ser desenvolvida de forma competitiva, recreativa e para integração social.

Benefícios psicossociais

As pessoas com deficiência precisam de situações mais estruturadas, pelo menos para a maioria das situações cotidianas. Por isso, muitas vezes elas devem superar certos inconvenientes que nem sempre podem ser superados devido a vários aspectos.

Os benefícios psicossociais de praticar esportes são:

  • Capacidade de autossuperação: ao enfrentar situações em desvantagem, uma vez superada a dificuldade, isso promoverá um aumento da autoestima. No campo esportivo, o fato de alcançar um objetivo físico levará à aquisição de estruturas mentais mais sólidas.
  • Integração real: as pessoas com deficiência não deveriam praticar atividade física apenas com outras pessoas que tenham as mesmas condições. O próximo passo é ser incluído para praticar esportes com pessoas sem esses problemas, com as adaptações relevantes. Dessa forma, a aceitação da diversidade será algo real.
  • Bem-estar individualainda que uma pessoa tenha uma deficiência, os seus mecanismos nos neurotransmissores cerebrais para aspectos de felicidade e recompensa não precisam apresentar problemas. Com o esporte, a pessoa em questão poderá deixar de lado o problema principal – isso é chamado de evasão.

Benefícios psicofísicos

Quase nenhum indivíduo com maior ou menor grau de deficiência está excluído da possibilidade de fazer atividade física – é assim até mesmo para uma pessoa com paralisia total do corpo. Nesse caso, por exemplo, um trabalho de estimulação músculo-ocular pode ser realizado com um sistema virtual de ponta.

Algumas vantagens dos esportes terapêuticos para as pessoas com deficiência são:

  • Desenvolvimento ósseo e muscular: principalmente nas áreas físicas não prejudicadas, embora, através da fisioterapia, seja possível manter padrões de controle também nas áreas afetadas. Quanto ao movimento, isso pode ser complexo por causa da inervação neuronal nos músculos – nervos motores –, mas esse não é um impedimento absoluto, de forma alguma.
  • Orientação, equilíbrio e coordenação: a propriocepção do indivíduo deve ser reconstituída para melhorar a sua interação motora com o meio. Isso também pode ser alcançado com os esportes.
Esportes terapêuticos para as pessoas com deficiência

  • Luta contra o sedentarismoesta é a principal causa de muitas doenças atuais. No passado, precisávamos nos movimentar para a nossa própria sobrevivência, mas as facilidades contemporâneas nos levaram à passividade. As pessoas com deficiência têm a obrigação de não se dar por vencidas e de levar uma vida tão ativa quanto possível.

Esportes terapêuticos para as pessoas com deficiência: conclusão

Todos nós já sofremos algum golpe da vida. Então, imagine o peso que as pessoas com deficiência de um tipo ou de outro carregam nas suas costas.

É importante facilitar o seu dia a dia, ajudando em tudo o que for necessário para que elas possam chegar à sua melhor versão. Assim, elas entenderão que a vida continua e tem aspectos maravilhosos para serem apreciados.

Com a prática esportiva adequada e uma ampla consciência social, garantiremos que essas pessoas não apenas melhorem as suas qualidades físicas de acordo com as suas possibilidades, mas também que elas levem uma vida com emoção, valores e motivação.

Os esportes, mais uma vez, podem ser vistos como um recurso incomparável para a felicidade de cada indivíduo.

  • Aguado, A., Flórez, M.A. y Alcedo, M.A. (2004). Programas de cambio de actitudes ante la discapacidad. Psicothema, 16 (4), 667-673.Consultado el 25 de febrero de 2010 en http://www.psicothema.com/pdf/3048.pdf
  • Escandell, O. y Santiago, O. (1998). Actitudes hacia la discapacidad. Evaluación e intervención psicoeducativa: Revista interuniversitaria de Psicología de la Educación, 1, 295-314.
  • Puig de la Bellacasa, R. (1987). Concepciones, paradigmas y evolución de las mentalidades sobre la discapacidad. Revista del Real Patronato de Prevención y Atención a personas con minusvalías, 14, 27-61.