Síndrome do piramidal: o que a provoca?

· 8 de maio de 2019
A dor na coxa e no glúteo pode ser um indicador da síndrome do piramidal. Trata-se, sem dúvida, de uma condição que merece a nossa atenção.

Também conhecida como síndrome do piriforme, a síndrome do piramidal é causada pela irritação ou compressão do nervo ciático. A dor, o formigamento e a dormência são os principais sintomas. Saiba mais sobre esta condição neste artigo.

O que é a síndrome do piramidal?

Primeiro de tudo, devemos falar sobre o músculo piramidal, que é plano e possui uma forma de pirâmide – daí o nome. Está em contato com a região glútea, a face anterior do sacro e a incisura ciática. O grande nervo ciático está intimamente relacionado com o piramidal, já que o percorre em sua totalidade.

Esta síndrome ocorre por uma compressão ou irritação do nervo ciático através do músculo piriforme. Uma das principais causas é a lesão do músculo glúteo. No entanto, também pode aparecer se houver variações anatômicas nas estruturas desse músculo, lesões por treinos excessivos ou esforços.

Além disso, foi confirmado que a síndrome do piramidal tem origem na hipotrofia ou na diminuição do volume muscular. Isso acontece quando uma pessoa sofre de alguma doença ou realiza exercícios muito intensos para perder peso.

Inclusive aquelas pessoas que realizam levantamento de peso podem sofrer de síndrome do piramidal devido a um aumento do volume dos músculos que rodeiam o piramidal e que então exercem maior pressão na área.

Determinadas anomalias como a presença de massas tumorais, o aneurisma da artéria glútea inferior ou as variações do curso do nervo ciático podem contribuir para a compressão do nervo contra o músculo e causar esta síndrome.

Quais são os sintomas da síndrome do piramidal?

Os sinais que nos alertam sobre o surgimento da síndrome do piramidal envolvem inicialmente um leve formigamento ou dormência no glúteo e na musculatura posterior superior da coxa. Depois essa sensação se converte em uma dor que se estende até a parte inferior da coxa ou da perna.

Quais são os sintomas da síndrome do piramidal?

Pode haver dores também na parte superior do pé ou na cintura pelo fato da pessoa caminhar mancando ou com as costas curvadas. Também pode-se sentir fraqueza na perna afetada, fisgadas ou sensação de queimação.

Por causa de seus sintomas, a síndrome do piramidal ou do piriforme pode ser confundida com outras patologias relacionadas ao nervo ciático.

Existe tratamento para a síndrome do piramidal?

Em muitos casos esta síndrome é diagnosticada apenas após descartar outras patologias, entre elas a estenose espinhal lombar, a hérnia de disco lombar ou algum problema pélvico, já que os sintomas são semelhantes.

O diagnóstico muitas vezes é difícil de fazer, mas nos últimos tempos o exame de ressonância magnética nuclear tem sido bastante preciso. Outra opção pode ser uma neurografia por ressonância magnética, que examina os nervos periféricos e visualiza seu estado geral.

O tratamento da síndrome piramidal pode incluir repouso, uso de anti-inflamatórios ou relaxantes musculares e fisioterapia.

Entre os principais métodos encontramos, por exemplo, exercícios de cinesiterapia passiva, alongamento ativo do músculo e relaxamento pós-isométrico. Recomenda-se também aos pacientes nadar ou terapias com água para melhorar a condição.

Outras maneiras de tratá-la

Além dos métodos acima, existem alguns exercícios que podem ser feitos em casa. Estes incluem alongamentos profundos das coxas e dos glúteos antes de se levantar da cama. Além disso, as massagens realizadas por um profissional também podem ajudar.

Se doer muito, a pessoa pode deitar de costas na cama e massagear o glúteo dolorido com uma bola de tênis ou pingue-pongue. Deve-se utilizar o peso do corpo para mover a bola para frente, para trás e para os lados.

Existe tratamento para a síndrome do piramidal?

Outra maneira de aliviar a dor é aplicar uma bolsa de água morna na área ou consumir algum medicamento analgésico.

Em alguns casos mais graves, o médico pode indicar injeções de toxina botulínica ou corticosteroides a fim de diminuir os espasmos musculares na área. Decide-se pela intervenção cirúrgica como último recurso e se nenhuma das alternativas anteriores apresentar resultados positivos.

A síndrome do piramidal é uma contratura mais comum do que se pensa; por afetar o nervo ciático, não podemos ignorá-la. Portanto, ao sentir dores, formigamentos ou dormências da perna, coxa ou glúteo, é necessário consultar um médico e realizar os exames necessários.

  • Gutiérrez Mendoza, I., López Almejo, L., Clifton Correa, J. F., & Navarro Becerra, E. (2014). Síndrome del piramidal (piriforme). Medigraphic.
  • Mendoza, I., Almejo, L., Correa, J., & Becerra, E. (2014). Síndrome del piramidal. Orthotips10(2), 85–92. https://doi.org/10.1016/j.jembe.2017.02.007