Quais são os níveis ideais de vitamina D?

4 de maio de 2020
Encontramos diferentes formas de suplementação de vitamina D no mercado: pílulas, gotas e frascos. Mas quais níveis de vitamina D são considerados saudáveis?

A vitamina D é uma substância proveniente de uma síntese endógena a partir da exposição à luz solar. É solúvel em gordura e, em muitos países, a deficiência dos níveis de vitamina D é endêmica.

Peixes, ovos e laticínios devem ser consumidos com frequência para manter os níveis de vitamina D dentro da faixa adequada. É um nutriente intimamente relacionado à saúde óssea e que influencia o sistema imunológico, a prevenção de certos tipos de câncer e a fadiga crônica.

A quantidade dessa vitamina no corpo é medida por um exame de sangue. Às vezes, é necessário suplementar a vitamina D para atingir valores ideais no corpo. Há uma discordância quanto a esses valores: há especialistas que recomendam entre 20 e 40 ng/ml de sangue e outros entre 30 e 50 ng/mg.

Importância dos níveis de vitamina D no desempenho muscular

Os estudos científicos mais recentes associam positivamente a suplementação de vitamina D ao aumento da força muscular.

Até alguns anos atrás, sabia-se que um déficit desse nutriente poderia causar fadiga crônica, mas seus efeitos positivos no desempenho foram uma surpresa. Por esse motivo, a suplementação com essa vitamina é cada vez mais comum nos esportes.

Níveis de vitamina D e câncer

A literatura científica relaciona a deficiência dessa vitamina com muitas doenças complexas. Por exemplo, a literatura reconhece a relação da deficiência desse nutriente com o câncer de cólon, mama e próstata.

Alimentos ricos na vitamina D

Para garantir uma ingestão adequada dessa vitamina, é interessante consumir peixes oleosos, pelo menos, duas vezes por semana. Além disso, a exposição regular ao sol é importante para permitir a síntese endógena da vitamina D. É claro que isso não é possível em todas as estações do ano em muitos países.

Este é um nutriente solúvel em gordura e, portanto, a ingestão de gordura é necessária para a dissolução e absorção dessa vitamina. No caso do leite, a vitamina estará presente em todos os tipos desse alimento, exceto no leite desnatado.

Um nutriente importante para mulheres

Nas mulheres, devido à perda de cálcio após a menopausa e à tendência à osteoporose, a vitamina D se torna um nutriente fundamental. A ingestão de vitamina D regula a absorção de cálcio e, portanto, preserva a saúde óssea.

A falta dessa vitamina nas fases iniciais da vida aumentará o risco de fratura óssea na idade adulta. Isso pode ser um grande problema de saúde para as mulheres.

Outra situação de risco é o caso de pacientes com doença renal crônica. Nesse tipo de indivíduo, é muito mais provável que exista uma deficiência dessa vitamina e problemas no metabolismo do cálcio.

Portanto, é importante monitorar os níveis de vitamina D nesse tipo de paciente para garantir a ingestão e os níveis ideais a fim de evitar complicações a médio prazo.

Formas diferentes de ingestão

Dentro da suplementação dessa vitamina, encontramos várias formas farmacêuticas diferentes. Existem laboratórios que apostam no consumo regular da substância na forma de comprimidos ou gotas. No entanto, encontramos no mercado opções cujo consumo é feito uma vez a cada 15 dias ou a cada mês.

De qualquer forma, é essencial consultar um médico ou nutricionista antes de começar a suplementar esse nutriente. O envenenamento por vitamina D é raro, mas essa situação pode levar ao acúmulo de cálcio no sangue.

A luz solar permite a produção e a manutenção dos níveis de vitamina D no organismo.

Vômitos, fraqueza e micção frequente são usuais nesse tipo de intoxicação. Inclusive, há até casos em que se formam cálculos renais de cálcio.

Conclusão

Apesar de haver alguma discordância entre os especialistas sobre quais são os valores ideais para a vitamina D, está claro que essa substância é de grande importância para a saúde.

Seu déficit aumenta o risco de doenças complexas e, em muitos casos, os valores sanguíneos não estão dentro do que é considerado ideal.

Para evitar esse tipo de situação, é necessário aumentar o consumo de peixes oleosos e laticínios integrais. Vale a pena lembrar que a vitamina D é lipossolúvel, portanto, a ingestão inadequada de gordura na dieta pode causar má absorção dessa vitamina.

  1. Bischoff-Ferrari HA., Willett WC., Wong JB., Giovannucci E., Dietrich T., Dawson-Hughes B., Fracture prevention with vitamin D supplementation: a meta analysis of randomized controlled trials. JAMA, 2005. 193 (18): 2257-64.
  2. Chau YY., Kumar J., Vitamin D in chronic kidney disease. Indian J Pediatr, 2012. 79 (8): 1062-8.
  3. De la Puente-Yague M., Cuadrado Cenzual MA., Ciudad Cabañas MJ., Hernández Cabria M., Collado Yurrita L., Vitamin D: and its role in breast cáncer. Koahsiung J Med Sci, 2018. 34 (8): 423-427.