Diagnóstico, implicações e tratamento da disfagia

6 de abril de 2020
A desnutrição e a desidratação são complicações da disfagia. Você sabe em que consiste essa patologia?

A disfagia é a dificuldade para a formação do bolo alimentar e sua subsequente mobilização da boca para o estômago. Para entender esse problema, é importante saber o que acontece com os alimentos que ingerimos a partir do momento em que os introduzimos na boca.

Quando comemos algo, ocorre um processo envolvendo quatro estágios. O processo começa quando introduzimos comida no corpo e termina quando o bolo alimentar passa pelo esôfago. Uma anormalidade em qualquer uma das fases da deglutição pode causar a disfagia.

O que é a disfagia?

Etimologicamente, disfagia significa “dificuldade de deglutição”. É um sintoma que se refere à dificuldade ou desconforto para formar ou mover o bolo alimentar da boca para o esôfago.

Existem dois tipos de disfagia dependendo do momento no processo em que a anomalia ocorre:

  • Disfagia orofaríngea: esse tipo de disfagia afeta a fase superior da deglutição.
  • Disfagia esofágica: nesse caso, o esôfago está envolvido.

Essa patologia tem alta prevalência, principalmente em pacientes com doenças neurológicas, como Parkinson ou Alzheimer. Também é prevalente em idosos institucionalizados, em pessoas com câncer no cérebro e no pescoço e em crianças com doenças neurológicas, como paralisia cerebral.

Diagnóstico

Existem vários algoritmos de diagnóstico, dependendo do centro médico. No entanto, todos eles têm uma coisa em comum: o diagnóstico deve ser baseado em métodos clínicos e complementares.

Para diagnosticar a disfagia, o médico precisa fazer uma avaliação holística com base no histórico médico do paciente. Nesse sentido, o teste mais utilizado é o Eating Assessment Tool (EAT-10). Esse teste consiste em dez perguntas que o paciente deve responder.

O que é a disfagia?

Após a elaboração do histórico médico, passa-se para o exame clínico. Nesse contexto, o método mais utilizado por sua fácil execução é o Método de Exploração Clínica Volume – viscosidade, conhecido coloquialmente como MECV-V.

Esse método avalia a eficácia e a segurança da deglutição através da administração oral de diferentes volumes e texturas de forma progressiva. Dependendo da tolerância do paciente, o médico estabelece se a disfagia afeta a passagem de líquidos, sólidos ou ambos.

Para confirmar ou descartar a presença de disfagia, existem métodos complementares. Por exemplo, a videofluoroscopia, que é o padrão-ouro, ou seja, a técnica mais precisa e eficaz. É uma técnica radiológica que avalia a disfagia após o paciente ingerir um líquido de diferentes viscosidades contendo bário.

Implicações nutricionais da disfagia

As principais implicações são a desidratação, a desnutrição e a pneumonia por aspiração. Essa última é a principal causa de morte em pacientes com disfagia. Portanto, requer atenção especial.

Tratamentos para a disfagia

O tratamento para a disfagia deve incluir medidas posturais, médicas e nutricionais. Portanto, uma equipe multidisciplinar será responsável por prescrever um tratamento adequado.

Tratamento de reabilitação

Alguns tipos de tratamento de reabilitação incluem:

  • Estratégias posturais: evidências mostram que inclinar a cabeça para frente após ingerir alimentos favorece a passagem do bolo alimentar pelo trato digestivo.
  • A estimulação mecânica da língua ou mudanças na temperatura e no volume dos alimentos podem fazer parte do tratamento de reabilitação. No entanto, existem poucas evidências que comprovem sua eficácia.
  • A manobra de Shaker é uma das estratégias com maior sucesso prognóstico.
  • Em pacientes que não têm dificuldades cognitivas e são capazes de cooperar, manobras de deglutição específicas também pode ser eficazes.
  • A técnica mais recente é a eletroestimulação transcutânea. No entanto, são necessários mais estudos para avaliar sua eficácia.

Tratamento nutricional

A modificação do volume e da viscosidade do bolo alimentar é o tratamento de escolha para muitos desses pacientes, pois apresenta o mais alto grau de evidência. No entanto, a falta de padronização na formulação de volumes e texturas constitui um problema.

Nesse contexto, surgiu a Iniciativa Internacional de Padronização de Dietas para Disfagia (IDDSI, na sigla em inglês). Seu objetivo é unificar e criar um sistema de viscosidades facilmente reproduzido e válido em todo o mundo.

Recomendações gerais para pessoas com disfagia

Recomendações gerais para pessoas com disfagia

Recomenda-se que os pacientes com disfagia comam em ambientes tranquilos e sem distrações. Dessa forma, eles podem prestar total atenção ao ato de comer.

Uma boa estratégia para melhorar a aderência é dividir a ingestão. Em outras palavras, fazer mais refeições por dia e em volumes menores. Esses volumes devem ser adaptados ao resultado do MECV-V para minimizar o engasgo.

Manter uma hidratação adequada pode ser difícil para esses pacientes, pois eles geralmente não gostam de água gelificada ou com espessantes. O suco natural é uma boa opção para aqueles que conseguem tolerar a textura.

Também é importante evitar texturas mistas e sempre buscar homogeneidade. Assim, é melhor evitar sopas e frutas como laranjas, pois possuem uma textura dupla.

Quando se trata de temperatura dos alimentos, evidências sugerem que os pacientes têm menos dificuldade em engolir alimentos quentes e frios do que alimentos mornos.

Como já mencionamos, o tratamento para a disfagia deve ser multidisciplinar. Nesse sentido, os pacientes devem manter uma boa higiene bucal e incorporar medidas posturais, como comer na posição vertical e deitar-se após ingerir alimentos.

  • Salas-Salvadó J. Nutrición y dietética clínica. Barcelona: Masson; 2009
  • Salas Salvadó. Algoritmo de diagnóstico y seguimiento de los pacientes con disfagia orofaríngea utilizando el test volumen-viscosidad.
  • Burgos R, et al. Traducción y validación de la versión en español de la escala EAT-10 para despistaje de la disfagia. Congreso Nacional SENPE 2011.
  • Clavé i Civit P, García Peris P. Guía de diagnóstico y de tratamiento nutricional y rehabilitador de la disfagia orofaríngea. Barcelona: Glosa; 2015.