Qual é a duração mais recomendada para a prática de exercícios?

· 10 de abril de 2019
Provavelmente você já viu algumas dicas sobre a duração recomendada para o exercício físico. Devemos ter em mente que cada caso é único e que não poderemos praticar durante longos períodos de tempo sem a devida adaptação.

Para levar uma vida saudável e longe de doenças, é vital manter-se ativo. Isso não implica obrigatoriamente se inscrever em uma academia ou em um clube de atletismo. Caminhar com o cão todas as tardes, por exemplo, já pode ser uma duração suficiente para a prática de exercícios físicos.

Tempo mínimo recomendado

A organização Mundial da Saúde defende que a duração mínima para a prática de exercícios físicos não deve ser menor que 150 minutos de atividade moderada.

Intensidade moderada seria uma caminhada em marcha rápida e constante ou o trote de baixa ou média intensidade. Isso distribuído em sessões de 30 minutos, cinco dias por semana.

Para aqueles que preferem ou têm a capacidade de realizar atividades aeróbicas de alta intensidade, a recomendação dos especialistas é 75 minutos por semana divididos em sessões iguais.

Exagerar é perigoso?

Esse é um dos pontos que gera mais polêmica. Por um lado, a OMS e também vários especialistas independentes ao redor do mundo asseguram que deve haver um limite da duração do exercício físico realizado por uma pessoa. Esse número é de 450 minutos por semana, no máximo.

Aqueles que apoiam esta tese alegam que aqueles que se exageram correm o risco de comprometer seriamente a sua saúde. Dependendo da atividade realizada, alguns grupos de músculos podem ser comprometidos. Em casos mais extremos, o coração é um dos órgãos em risco de colapso.

Então existe uma duração excessiva para os exercícios?

Outros médicos e especialistas em condicionamento físico afirmam que os conceitos de overtraining ou de “exercício demais” são inexistentes. Dizem que qualquer pessoa saudável pode realizar qualquer atividade física que supere os 450 minutos semanais.

O papel da glutamina

Os especialistas desse assunto dizem que o corpo humano tem a capacidade de se adaptar à exigência a que está sujeita; e muito exercício não causa acidentes cardiovasculares diretamente.

Esses especialistas dizem que os atletas que perderam as suas vidas por colapsos cardiovasculares enquanto corriam uma maratona ou jogando futebol possuíam problemas congênitos que não foram detectados antes. As fatalidades não ocorreram porque praticaram muito exercício.

Uma duração de 30 minutos: mais que suficiente

Mas há unanimidade de opiniões com relação aos 30 minutos, cinco vezes por semana, como sendo uma duração suficiente de exercício físico. Inclusive, embora as pessoas desenvolvam uma resistência mais elevada, os benefícios na saúde são estabilizados depois de atingir esse valor.

Há também uma opinião unânime sobre o que é verdadeiramente perigoso: o estilo de vida sedentário. Não realizar qualquer atividade física aumenta o risco de doenças que variam desde excesso de peso a problemas cardiovasculares. O diabetes, as deficiências ósseas e a depressão também estão na lista.

Quando você vai começar a ver os resultados da atividade física

Geralmente, os primeiros resultados serão evidentes e mensuráveis após 45 dias de atividade ininterrupta. Os dias de descanso e de recuperação são também necessários dentro da rotina.

Por isso, a constância é uma das chaves. Não há nenhuma rotina milagrosa ou mágica. Aqueles que perseguem um objetivo (perder peso, tonificar os músculos, ganhar resistência) devem ter isso em mente.

A alimentação e os exercícios: uma combinação mais do que necessária

A prática esportiva deve ser inexoravelmente complementada com uma dieta equilibrada. Todas as necessidades nutricionais devem ser cobertas para que os exercícios gerem os resultados desejados.

Como calcular o índice de massa corporal?

Não é obrigatório ter uma dieta restritiva, eliminando completamente alguns gostos particulares, mas nós sempre devemos ter em mente que as comidas saudáveis e as comidas rápidas formam uma combinação impossível.

A falta de tempo não pode ser uma desculpa

Muitas pessoas afirmam que não dispõem de tempo suficiente para se exercitar. No entanto, você deve fazer de tudo para que esse fator não se torne um motivo para levar uma vida sedentária.

O hábito de caminhar até o escritório, até a universidade ou ao supermercado é muito saudável. Também é bom subir as escadas, evitando elevadores e escadas rolantes, sempre que possível.

O movimento é vida e a saúde se beneficia do movimento. Há muitas opções que se encaixam em nossa vida diária. A falta de tempo não é nunca uma desculpa.