Posso conversar e correr ao mesmo tempo?

8 de janeiro de 2019
Conheça os benefícios de ter um parceiro de corrida e de conversar enquanto treinamos, bem como as pequenas desvantagens e inconvenientes envolvidos

Muitos corredores preferem treinar sozinhos porque pensam que, dessa forma, podem ter um melhor desempenho. Há outros que precisam estar acompanhados por alguém com suas mesmas aspirações e paixões. Nesse caso, é comum querer saber se podemos conversar e correr ao mesmo tempo… Descubra a seguir.

Conversar e correr?

Há quem diga que conversar e correr ao mesmo tempo cansa mais rápido e aumenta a sensação de falta de ar, e também há aqueles que precisam estar acompanhados e querem conversar durante a corrida, porque senão ficam entediados e abandonam antes da primeira volta ou então no segundo treino programado.

Agora, o que os especialistas dizem sobre isso? Por um lado, temos aqueles que afirmam que é melhor correr sem falar, porque dessa forma é possível respirar pelo nariz e aumentar a concentração. Por outro lado, há quem diga que conversar e correr ajuda a ter mais resistência.

Casal correndo na beira da praia

Isso acontece porque, ao conversar e correr ao mesmo tempo, precisamos oxigenar mais o corpo e respirar mais vezes do que se estivéssemos ‘apenas’ correndo. E, enquanto essa troca de oxigênio e dióxido de carbono ocorre no organismo, todos os órgãos são nutridos e melhoram o seu estado geral.

Benefícios

Diz-se que correr levemente enquanto falamos pode ser equivalente a correr mais intensamente, mas sem emitir uma única palavra. Certamente, isso não é algo tão linear e taxativo, já que nem todos os corpos são iguais.

Mas a verdade é que o esforço físico que você precisa fazer será maior quando você estiver falando do que quando você não estiver.

Outro dos benefícios de conversar e correr ao mesmo tempo reside no fato de que a atividade fica mais divertida e se torna mais suportável se estivermos ocupados ou entretidos.

Mas, é claro, correr acompanhado não é a única opção: também podemos ouvir música ou então assistir a um seriado enquanto usamos a esteira na academia…

No entanto, isso não é a mesma coisa do que estar com alguém ao lado, acompanhando e fazendo o mesmo esforço. Assim, durante a conversa sobre diferentes assuntos, é possível percorrer distâncias mais longas com menos peso mental.

Intensidade do exercício

Certamente, tudo depende da intensidade do exercício: um trote leve não é a mesma coisa que um pace entre moderado e rápido. No primeiro caso, será mais fácil e até mesmo aconselhável conversar com o outro para, dessa forma, evitar abandonar o exercício quando ele se tornar monótono ou entediante.

Como você pode saber se tem a habilidade de conversar e correr ao mesmo tempo?

Se você conseguir manter uma conversa fluindo sem ‘ficar sem ar’ ou sentir que o seu coração está batendo a mil por hora, isso significa que a intensidade do exercício é de leve a moderada e, portanto, não há nenhum problema em combinar ambas as atividades.

Por que não falar enquanto corremos

Certamente nem tudo é perfeito, já que conversar enquanto corremos faz com que fiquemos um pouco distraídos e não prestemos total atenção à paisagem, ao caminho, aos perigos…

Podemos  tropeçar ou bater em alguém que venha no sentido contrário ao nosso, e até mesmo não perceber os sinais de cansaço, dor ou fadiga que o corpo nos dá.

Por sua vez, há quem afirme que falar e correr pode causar a perda da conexão mente e corpo que nos faz tão bem. Quando corremos temos que nos concentrar nos movimentos do corpo, nos nossos problemas, projetos ou ideias, e até mesmo aproveitar a oportunidade para meditar ou refletir.

Casal correndo e conversando na neve

Por outro lado, também é possível treinar com alguém ao lado sem a necessidade de manter uma conversa de forma constante, simplesmente sabendo que o outro está ali nos acompanhando e nos ajudando caso seja necessário.

Em suma, falar ou não falar ao correr é uma decisão muito pessoal. Mas o que podemos dizer é que não é bom se acostumar apenas com um tipo de treino.

Por exemplo, se você gosta de conversar enquanto se exercita, permita-se a oportunidade de ficar sozinho uma vez por semana ou esporadicamente. O mesmo vale para o contrário: se você gosta de treinar na solidão, de vez em quando convide alguém para te acompanhar, assim ele vai servir como um termômetro de desempenho.

Mañas Mañas, I., Franco Justo, C., Gil Montoya, M. D., & Gil Montoya, C. (2014). Educación consciente: Mindfulness (Atención Plena) en el ámbito educativo: Educadores conscientes formando a seres humanos conscientes. Alianza de Civilizaciones, Políticas Migratorias y Educación. https://doi.org/10.1016/0040-4020(96)00517-0